Teonanacatl.org

Aqui discutimos micologia amadora e enteogenia.

Cadastre-se para virar um membro da comunidade! Após seu cadastro, você poderá participar deste site adicionando seus próprios tópicos e postagens.

  • Por favor, leia com atenção as Regras e o Termo de Responsabilidade do Fórum. Ambos lhe ajudarão a entender o que esperamos em termos de conduta no Fórum e também o posicionamento legal do mesmo.

Completo Pleurotus Ostreatus (Segunda Tentativa)

Achei um lugar na minha cidade que vende cogumelos frescos. Comprei um pacote de shimeji colhido ontem mesmo, e resolvi tentar cultivar o micélio mais uma vez.
Diário de cultivo completo.

General Information

Raça(s)
Pleurotus ostreatus(shimeji)
Técnica(s)
Esterilização
Substratos
Milho de pipoca
Papelão
Borra de Café
15/06/13

Senhôures... as coisas têm andado. E não só no sentido de eu ter feito mais leituras e acertado o nome do cogumelo dessa vez.

Achei um lugar na minha cidade que vende cogumelos frescos. Comprei um pacote de shimeji colhido ontem mesmo, e resolvi tentar cultivar o micélio mais uma vez, com ganas de colonizar em milho e depois em papelão (desisti de jornal, por conta de várias versões sobre a toxicidade da tinta) em sacos.

O problema é que em minha cidade não tem mais nada, praticamente, do material que eu gostaria de usar. Sem agar, sem dextrose, sem vermiculita, sem palha, sem nada. Milho de pipoca tem, o que acho que eu deveria considerar uma extravagância do mercado.

Aí, fiz mais uma vez o que havia feito antes, uma "sopa de batata" com açúcar mascavo. Como tinha contaminado com bactérias da outra vez, coloquei quatro minutos no microondas, pra ver se dava uma melhorada e eu conseguia pelo menos uma cultura que funfasse. Fiz quatro copos assim, cada um com um pedacinho da base do cogumelo ou de perto do chapéu, interno, isolado da superfície (da outra vez tinha tirado uma fatia. Passei álcool até no cogumelo, por fora, antes de fazer isso. Hehehe. Instrumentos esterilizados no fogo.

Não levei fé, mas sei lá. Tenho lido que shimeji é mais resistente a bactérias e fungos e propaga bem, o grande inimigo dele é o mofo verde, que tem no milho, e estou preparado (acho) pra lidar com isso: ferver 30min, deixar 24h na água com água sanitária 1/200, lavar e escorrer, depois 1h de pressão.

Aí, pensei, vou tentar borra de café, também. Vi fotos de spawn em borra de café. Aí, coloquei um copo com borra de café no microondas por quatro minutos. A parte de cima do microondas ficou linda, parecia uma constelação ao contrário, cheia de pontos escuros. Mas tudo bem, esperei esfriar, cortei a carne de outro cogumelo que achei bonito e deitei na borra de café, sem açúcar, sem nada. Mais pra ver se desenvolvia.

Também não levei fé, mas sei lá.

Aí me dei conta: o pessoal diz que só joga o cogumelo em papelão e coloniza, eu podia fazer isso. E fiz. E nessa, eu tou levando fé. Então, resolvi descrever o processo pra vocês aqui, porque achei que fazia muito sentido a forma com que fiz tudo, e acho que dessa vez vou ter sucesso em todos os três copos que fiz. Até tirei fotos, vejam só.

1) preparei água com açúcar mascavo. Nada muito extravagante, só uma pitadinha pra meio copo d'água, que vai dar mais ou menos a proporção de uma colher pra 400ml.


2) cortei o papelão da maneira sugerida em outro site, tirei a parte de fora pra alguma cola não atrapalhar a colonização. De qualquer forma, a quantidade de cola do papelão ia diminuir no próximo passo. Eu mergulhei o papelão na água com açúcar e...


3) coloquei no microondas por 15 minutos. Escorri a água quente, ainda (e não sei se o papelão tinha cola, mas se tivesse acredito que boa parte dela se foi aí) e tapei a boca dos copos, pra esperar esfriar. Enquanto isso, preparei o "campo operatório" com álcool 67% (70% eu não tinha), esterilizei a faca e a tesourinha de unhas com álcool, depois levei o metal no fogo. (Deixa eu explicar... uso a tesourinha pra fazer a droga da carne de cogumelo soltar da faca, senão é meia hora batendo no copo. Eu não tenho material apropriado, já comentei?)



4) o metal frio, passei álcool na parte de fora do cogumelo e abri ao meio com as mãos (também desinfectadas) procurando não tocar na parte de dentro. Cortei os pedacinhos, deitei no papelão, tapei os copos, passei um álcool básico por fora e mandei pra um lugar escuro e relativamente quente. Os shimeji gostam de frio, mas está meio frio demais aqui, então acho que o lugar é o mais adequado.



Achei esse processo bem simples de fazer. Não precisa de horas de preparação, não precisa de material especializado e tem a vantagem de não demandar o uso de panela de pressão. Eu não gosto de panela de pressão. Vou ter que usar com o milho, mas mesmo assim não gosto.

Enfim. Quando tiver mais notícias, posto aqui. Estou calculando entre uma semana e 15 dias pra desenvolvimento do micélio. Está frio e, pelos relatos que li, o Shimeji é meio preguiçoso pra certas coisas.

Abração.

po-iv01.jpgpo-iv02.jpgpo-iv03.jpgpo-iv04.jpgpo-iv05.jpgpo-iv06.jpgpo-iv07.jpgpo-iv08.jpg

17/06/2013 - Atualização

Bom. Acredito que os quatro copos de "sopa de batata com açúcar mascavo" (agar) tenham contaminado. Novamente, um desenvolvimento leitoso nas partes aquosas do nutriente. Na verdade, fiquei curioso pra saber se isso não é o micélio se desenvolvendo 'embaixo d'água' e não bactéria, de novo. Fiquei com isso na cabeça, se alguém tiver uma idéia a respeito, por favor divida comigo. Mas o que estou esperando mesmo é que seja contaminante, e, como fechei tudo com álcool e não abri as culturas desde então, vou deixar fechadinho e esperar pra ver.

A cultura que deitei na borra de café pura, sem mais nada, está soltando micélio. Parecem pedacinhos de cogumelos peludos, ou porcos-espinhos fúngicos. Mas esse micélio não está pegando na borra, parece. Não sei se não encontra estruturas pra se agarrar, mas aparece mais crescendo da carne dos cogunelos, mesmo, sem aparentemente se espalhar. É outra coisa que vou deixar pra ver. Sem sinal de contaminante, o que é uma coisa boa.

As culturas que deitei no papelão começaram a se espalhar na superfície do papel. Todas elas, em todos os cantos que deitei pedaços de cogumelo para clonagem (nas fotos acima dá pra ver que tem um copo com um pedaço, um com dois pedaços e um com quatro... bão, todos esses pedaços estão se espalhando). :)

***

Deixa eu pensar um pouco com os amigos: como tinha lido que o shimeji é bem resistente e cresce fácil, não me preocupei tanto em realmente esterilizar o meio nutriente - faz sentido, se ele cresce em tocos e farpas, não pode ser tão fácil de matar. A primeira leva contaminou com bactéria, e fiquei pensando a respeito.

Fiz o agar com batata e açúcar mascavo (dessa vez na proporção certa de açúcar), mas também tava sem estrutura pra esterilizar na panela de pressão, e pensei que colocar no microondas era pedir pra ter que limpar o microondas. A coisa estava fervida, os copos também... pensei que o que tivesse de contaminante ia estar fraquinho e não ia causar muito problema pro micélio. E tudo contaminou de novo, acho.

Aí, eu vi a luz: tinha algo de errado no meu jeito de pensar. Não devia ter pensado na fragilidade relativa do micélio, mas sim na força dos organismos competidores. Um meio nutritivo é um convite pra todo tipo de nojeira crescer. Tenho certeza de que o micélio do cogumelo vai se desenvolver ali, junto com outras coisas. Apertado, num condomínio de contaminações. Mas não vou poder usar ele - a concorrência é forte demais.

Enfim. A borra de café passou no microondas, mas não está agarrando na borra. A borra já vem esterilizada e fechada a vácuo, leva um banho de água quente e depois (aqui em casa) é reservada num pote fechado em uma sacola plástica. E não cresce mofo, não contamina. Quero ver se o micélio cresce. Por enquanto, não cresceu na borra. Então, reservo meus pensamentos.

O papelão foi uma tirada que adorei, é superfácil de fazer, fica estéril e, pelo que vi, tem taxa elevada de sucesso.

Meio que cheguei na conclusão que o resto do pessoal do fórum já tinha tirado há tempos - esterilizar é preciso. Mas tive que chegar nela por erros e acertos - sou teimoso. A boa notícia é que pareço ter chegado em um meio interessante de clonagem do shimeji em papelão com o uso do microondas como esterilizante. Vamos esperar pra ver.

Se tudo der certo, vou comer muito shimeji aqui em casa.

Abração.

19/06/2013 - Update

Ambos os micélios na borra de café e no papelão se desenvolvendo bem. O do papelão se espalhando mais. Vou esperar ficar mais bonito pra tirar foto. Falar a verdade, achei o processo do papelão mais prático de fazer. Mas tou pensando em acrescentar borra de café junto com o milho pra desenvolvimento posterior do micélio. Agora é me controlar e parar de olhar a cada duas horas.

21/06/2013 - Atualização

Sem novidades, gente. A sopa de batata continua daquele jeitão leitoso estranho, o micélio não desenvolveu de forma visível e não faço idéia se está ou não no líquido (me atrapalhei na hora de passar para o pote e acabei deitando a cultura num purê de batata beeem aguado). Vou continuar esperando pra ver, mas acho que daí só sai barata, rato, formiga, e outras coisas assim, que têm geração espontânea em cantos escuros. Cogumelo, não.

o micélio que coloquei na borra de café está crescendo. Tenho a impressão que pra baixo, também. Não consegui tirar uma foto decente, porque a máquina insistia em focar o plástico não tem muita luz no ambiente e a caneca não tem as laterais transparentes. Mas dá pra ver que está crescendo. E também dá pra ver a estrutura frágil do micélio do shimeji, começa transparente, meio acinzentado. E não, não é cobweb. Hehehe. Parece que ele melhora depois, pelo menos está fazendo esforço, aqui.


Os do papelão estão melhores. Eles começaram a se espalhar com mais vigor, especialmente aquele em que coloquei mais pedaços de carne de cogumelo. Não sei o que tem de diferente nele, mas só pode ser o nível de açúcar. O papelão era da mesma caixa. EDIT: Comparando as fotos, percebi que o papelão que melhor desenvolveu era o mais "ensopado" dos três. Talvez esse melhor desenvolvimento do micélio tenha a ver com isso, com a umidade do papelão. Mas segui as instruções de outros cultivos e deixei o papelão ensopado em todas as culturas... só que esse papelão estava quente, e parte da água evaporou. Food for thought...

A princípio é isso. Daqui a mais uns dias conto mais procêis. Lembrando que isso é uma semana de desenvolvimento, praticamente, desde o primeiro post. Cinco dias pra o papelão, seis para a borra de café. E eu, aqui, ansioso. Ainda bem que a gente compra o cogumelo pra fazer a clonagem e tem algumas compensações, né?

Tipo um molho de shimeji, cebola, alho, bacon e cebolinha verde na manteiga, com sal e pimenta-do-reino, ideal pra acompanhar um bife malpassado.
:devil:
Foto tirada aqui em casa. Vinho tinto daqui do RS, mesmo, pra acompanhar. Hein? Hein?

Abração.

po-iv09.jpgpo-iv10.jpgpo-iv11.jpgpo-iv12.jpgpo-iv13.jpg

23/06/2013 - Update


Obrigado, gente. Boa sorte nas empreitadas de vocês. Fúngicas ou não.

Certas complicações aqui no RS. E não tou falando só dos protestos contra o governo.
:D
Está frio. Beeem frio. Abaixo da ideal para o desenvolvimento do micélio, ou seja uma média diária entre cinco e vinte graus, caindo pra abaixo disso na madrugada. E isso reflete no desenvolvimento das culturas. Reparei que uma delas estava indo melhor, a da borra de café, e hoje vou deixar as outras que deitei no papelão posarem junto com ela à noite. Vai ver, fica mais quente no armário da cozinha que na caixa em que estou deixando elas. Fora isso, nada de novo no front.

Já decidi que não vou tentar controlar o ambiente - não de maneira que gere muitos gastos, pelo menos - por um motivo que faz todo o sentido do mundo (pra mim): não tenho como controlar a temperatura no verão. Então, preciso testar o processo com o clima que temos aqui, e ver se é viável manter uma "fazendinha de cogumelos" em um ponto isolado, frio, da casa, ou se todo o verão a coisa toda vai morrer. Uma lâmpada forte, tipo luz do dia, sim, nisso posso investir. E até colocar um garrafão de gelo pra resfriar um pouquinho o ambiente. Mas não muito mais que isso. É um hobby, não um meio de vida.

Como a necessidade é a mãe da invenção, tenho que fazer algumas coisas diferentes, a título de experiência, depois de aprontar os potes (se eles colonizarem sem contaminações): uma sacola com papelão, pra testar o jeito raso de barato e ver se dá certo; um casing com borra de café, papelão, farinha de milho e milho colonizado (tou pensando em um jeito de fazer isso em uma caixa velha de pó de café. Se der certo, eu mesmo vou ficar impressionado) e dois em saco plástico tipo ziplock de polipropileno, que ainda tenho que comprar. O substrato não tenho certeza de qual vai ser, porque não consigo achar palha ou outras coisas interessantes aqui. Vou ter que improvisar.

Planos, planos, enquanto o micélio não vem. Ê, tédio.

Abração.

27/06/2013 - Update

Bão, estava sentindo que o crescimento do micélio tinha estagnado no papelão, não sabia se era falta de umidade, o tempo frio, se estava pegando luz demais (deixava dentro de uma gaveta, mas sempre entra alguma luz, a cozinha é muito bem iluminada aqui) ou a má qualidade genética do cogumelo. O micélio que estava crescendo na borra de café estava o mais bonito de todos, mas eu via a umidade dentro do copo acabando e nada de colonizar por completo.

po-iv14.jpgpo-iv15.jpgpo-iv16.jpgpo-iv17.jpg

Estava numa situação em que, se deixasse como estava, podia perder as culturas de micélio que tinha, e se agisse podia não ter sucesso. Resolvi tomar uma atitude corajosa, ousada: ficar em cima do muro. :D

Fiz três potes de milho (esterilizados) para onde passei o micélio que estava na borra de café. Misturou milho com borra, mas isso é o de menos. E também peguei uma das três culturas de papelão e enterrei em um pote com borra de café que tinha esterilizado no microondas (isso mesmo, esterilizado no microondas... é um experimento, se der certo posto direitinho como foi - tenham em mente que borra de café não é ambiente bom para bactérias, só pra cobweb, então já tem meia proteção... se der certo para o micélio do shimeji pode não funcionar com cubensis, que não gosta de borra de café, acho eu).

Isso dito, se nada der certo, ainda tenho duas culturas em papelão que, se a colonização avançar, rendem mais tentativas (talvez faça uma seleção do melhor micélio, se a coisa não encorpar). Tou fazendo tudo isso pra otimizar a chance de sucesso e não precisar comprar outra bandeja de cogumelos pra começar o processo de novo.

Claro, se tiver que começar tudo de novo, começo. Mas prefiro começar a comer cogumelos logo. :cool:

Eu posto fotos das culturas aqui e mais detalhes quando e se derem certo, ok? Quero me segurar e ficar uns dias sem olhar pra isso, fazer uma fezinha e ver como as coisas andam. Se andarem. Dizem que o olho do dono é que engorda o boi, mas se eu fosse boi não me sentiria confortável em comer e engordar com alguém me olhando. Vou respeitar um pouco as minhas culturas. Hehehe.

Abração.

02/07/2013 - Update

Sem novidade. Não vejo atividade no micélio do milho, nem da borra de café. As culturas em papelão também parecem estar estagnadas, estou com vontade de dar uma "injeção" de café nelas (pingar umas gotas de café). Verdade que está frio aqui, mas não creio que essa colonização devesse demorar tanto.

Mas vou esperar mais antes de tentar mudar qualquer coisa. Alguém tem alguma dica pra dar?

Abração.

Desculpem. Acho que ando meio preguiçoso no postar as fotos. Vou remediar isso agora. O que reparei é que o papelão está mais seco, embora haja condensação no interior. Será que o micélio precisa de mais umidade pra desenvolver?

Explicando o que fiz: quando o micélio estava razoavelmente desenvolvido na borra de café, juntei e coloquei no milho. Depois, peguei uma das culturas em papelão e coloquei na borra de café, em um pote maior. Abaixo, as fotos das culturas como estão no momento. Como disse, fiz de tudo pra não perder a pequena vitória que tinha alcançado. Mas tou achando o micélio meio seco, tava tentado a colocar umas gotas de café (depois dele estar umas horas na cafeteira a 60 graus e com uma seringa esterilizada, claro) em cada cultura, pra ver se estimula uma recuperação.

Vou postar as fotos abaixo.

Papelão com micélio enterrado na borra de café. Dá pra ver o micélio, mas não vejo desenvolvimento. Tem condensação dentro do pote, mas acho que está muito seco ainda.


Os potes de milho que coloquei a borra com micélio crescido. TAMBÉM acho seco, apesar de ter lido que a umidade que o micélio precisa está dentro do milho. Será que ele se agarra no milho seco, assim?


Finalmente, as culturas em papelão, que acho que estão as mais secas de todas. A com um pedacinho de cogumelo só parece estar morrendo, tadinha.




Aí, eu pensei: se vou colocar água, podia colocar café, nessas condições que mencionei. O pleurotus gosta de café, e há quem diga que estimula o crescimento do micélio. Alguma idéia?

(Falar nisso, acrescentei umas fotos acima... já que andava tão relapso)

Abração.

po-iv18.jpgpo-iv19.jpgpo-iv20.jpgpo-iv21.jpgpo-iv22.jpgpo-iv23.jpgpo-iv24.jpgpo-iv25.jpg

09/07/2013 - Update

O micélio do milho (nos três potes) está começando a pegar. Não fazia idéia de que demorava tanto, e parece que não deveria demorar tanto, mesmo, pelos relatos que li. Depois que umedeci o papelão com café (tratado no microondas) o micélio reagiu em uma das duas culturas restantes, a outra continua estagnada, acho que morreu. Continuo esperando pra ver no que dá, mas nesse ritmo acho que vai ser milagre se algum contaminante não devorar o milho antes do micélio. Ê fulaninho preguiçoso, esse tal micélio!

15/07/2013 - Update

Aniversário de um mês desde o início do cultivo do micélio. Partindo desse ponto de vista, e entendendo que "o micélio não é meu escravo", até que as coisas estão indo bem. O micélio continua se espalhando nos potes de milho, que aparentemente ainda não contaminaram. O papelão, que acabei umedecendo de novo com café (em um dos copos coloquei borra também, esterilizada no microondas - e fria, claro), continua sendo colonizado por um micélio fino e quase transparente. No copo com a borra de café ele ficou acinzentado. Acho que não é cobweb, mas sim micélio. Vamos ver.

No pote de borra de café o micélio está correndo devagar. O resultado é que, por enquanto, não perdi nenhum copo ou pote nessa "fornada", o que só pode ser algum tipo de engano. De qualquer forma, acho que tenho mesmo que começar a me preparar para a próxima. Não por achar que nem um cultivo eu consigo dessa, mas porque a sustentabilidade fúngica demanda. Se tudo aqui vingar, vou estar comendo cogumelos o ano todo a custo de caixas de papelão e borra de café usada, substituindo parte do meu consumo de carne por uma coisa mais saudável e tão gostosa quanto.

Mas deixemos o futuro no futuro. Por enquanto estou esperando ansiosamente o desenvolvimento do micélio. No próximo post coloco umas fotinhos aqui. Por enquanto ainda é muito discreto o desenvolvimento no milho.

Abração.

29/07/13 - Update

Como disse, as coisas estão andando devagar aqui, mas estão andando. Talvez seja o frio (não sou, como alguns daqui, cultivador profissional ou biólogo, então não tenho a estrutura pra fazer isso de forma mais controlada... vou no improviso - e por isso não posso controlar a temperatura ainda). O caso é que o micélio anda preguiçoso pra se desenvolver. Mas está se desenvolvendo.

Senhôures, envio umas fotos de como a coisa está no momento, quase quarenta e cinco dias de cultivo. Dêem uma olhada especialmente pra foto que enviei do papelão que enterrei em um pote com borra de café. Achei interessante o desenvolvimento, mas tou achando que, só assim, na borra, não coloniza, porque não acha ar ou espaço pra ir pra baixo. Mas é interessante pensar que a borra de café colonizou tão bem que usei ela pra infectar o milho. Ou seja, recomendaria a borra, e não papelão ou agar (que parece ser mais suscetível a bactérias e outros fungos que a borra), para iniciar a cultura, caso alguém mais planeje plantar shimeji.

Entendo que, mesmo depois de ter colonizado o milho, ainda vai levar um bom tempo pra colonizar o substrato. Ou seja, a produção fora das condições ideais parece ser lentíssima. Será que vale a pena?

"Tudo vale a pena se a alma não é pequena!/ Quem quere passar além do Bojador/ tem de passar além da dor./ Deus, ao mar, o perigo e o abismo deu./ Mas nele é que espelhou o céu." (ACHO que é Fernando Pessoa... tou meio enferrujado nas citações.)

Abração.

po-iv26.jpgpo-iv27.jpgpo-iv28.jpgpo-iv29.jpgpo-iv30.jpgpo-iv31.jpgpo-iv32.jpg

03/08/13 - Update

Levado pela opinião dos amigos, de que o cultivo está demorando demais, chacoalhei os vidros e tentei misturar tudo dois dias atrás. E já recomeçou a colonização, o micélio em alguns lugares parece mais forte e agressivo do que antes. Não tinha querido chacoalhar o milho até então por imaginar que os resultados eram melhores com uma quantidade maior de micélio. Mas, se em uma semana não estiver bem mais avançado, vou chacoalhar de novo, achei o resultado impressionante.

Té mais, e abração.

13/08/2013 - Update

Fotos do que descrevi anteontem: o micélio tá crescendo rápido, depois que agitei os copos,uma semana atrás. Vou me lembrar disso na próxima vez. Lembrando que a aparência do micélio voltou a ficar de milho quando agitei, mal dava pra ver que tinha micélio ali:

po-iv33.jpgpo-iv34.jpgpo-iv35.jpg

Era isso. Update bobinho, só pra mostrar as fotos. O milho parece mais escuro porque está frio e chuvoso aqui.

Abração.

Update - 20/08/2013

Para este post não pude tirar fotos. Lamento. Minha esposa levou a máquina pra passear com a irmã dela no dia em que eu preparei o substrato.

Mas descrevo como fiz. Comprei duas vasilhas grandes, que iam no microondas, pra isso. Passei lysol, depois coloquei o substrato em solução de água sanitária. O processo está abaixo.

1) 3 litros (volume) de papelão rasgado. O papelão foi deixado em uma vasilha com água sanitária por duas horas e depois foi vinte minutos no microondas (na mesma vasilha), até ferver. Fora isso, o microondas é reconhecidamente bom em matar alguns microorganismos (li sobre o teste em várias culturas de bactérias em agar depois de cinco minutos de microondas, e acreditei no resultado). Espremi a água do papelão e reservei.

2) 3 litros (também volume) de serragem grossa de madeira, que tratei da mesma forma que o papelão. Espremi o excesso de umidade, mas deixei bem úmido.

3) um litro de borra de café, com direito a papéis de filtros. A borra de café estava contaminada com trichoderma, então fervi ela por uma hora na pressão, depois de deixar 24h em solução de água sanitária.

Eu misturei tudo, até as duas vasilhas estarem mais ou menos igualmente dispostas, com café, lascas de madeira e papelão, depois coloquei o milho infectado. Se vocês lembram, eu tinha três potes de milho. Ainda tenho dois, usei um pote só pras duas vasilhas. Me pareceu o suficiente (era o pote maior, que estava mais colonizado). Resultado: duas vasilhas com 3,5L cheias de substrato, esperando a colonização. Em uma semana vou olhar como está andando. Antes disso, acho que não vai haver mudança, o milho demora um pouco pra colonizar. Semana que vem, no mais tardar, vou preparar mais substrato pra outro pote, porque o milho está quase todo colonizado nos outros dois potes.

Abração.

23/09/13 - Update

@tchescko, pode ser, irmão. Só sei que aqui demooooora pra qualquer coisa. Esse micélio deve ter cruzado com lesmas em algum ponto da cadeia evolutiva. Sempre achei que lesmas eram um tipo de vegetal nervoso. =P

Acho que na semana que vem a colonização de um substrato com o micélio vai estar completa. Aí vou passar para um container limpo e transparente pra frutificação e aproveito pra tirar fotos e detalhar um pouco o processo de feitura dos substratos daqui de casa para os amigos.

Lembrando que o que fiz de substrato foi:
1) dois substratos grandes, com borra de café, serragem e papelão, que estão colonizando devagar;
2) um substrato com papelão, serragem e borra, também, em saco plástico preto, pra isolar mais a luz, que começou a colonizar super rápido, não sei por quê (mas sei que vou clonar essa cepa) e está quase pronto;
3) um substrato só com serragem e milho esterilizados juntos, que parece estar demorando mais que o normal (o 'normal', pra mim, é um tempo absurdamente grande, porque aqui levou uma vida pra colonizar) e acho que contaminou (tá isolado, mas era um experimento pra ver que tipo de cogumelo conseguiria com milho como substrato, que li dar frutos excelentes... ainda não descartei, vamver como sai).

07/09/13 - UPDATE

Pois é... minha dúvida é justamente saber quando se completa a colonização. Mas dessa vez tenho fotos!!! Tirei hoje à tarde, quando tentei criar um ambiente legal pra desenvolvimento das primórdias. E acabei, com o perdão da palavra, cagando tudo. Mas vamos por partes.

Primeira coisa, o lugar que consegui pra deixar os cogumelos é um banheirinho nos fundos. Deixo a tampa da privada levantada pra aumentar a umidade e não ressecar o ambiente. Cobri os cogumelos com camisetas pretas velhas, pra isolar mais a luz. Mas o banheiro é quase sempre bem escuro.

po-iv36.jpg

Na foto dá pra ver os dois potes grandes com substrato e o saco de lixo com substrato, que está escondido no canto (embaixo, à direita). Esse saco de substrato colonizou mais rápido que os potes grandes:

po-iv37.jpg

Está nesse estado. A minha questão é: como sei se a colonização está completa? Eu fiz bobeira e não coloquei em saco transparente pra cuidar as primórdias, então tenho que expor ao ambiente pra olhar de vez em quando... mesmo assim, não sei como se parecem as primórdias do shimeji. Alguma idéia, alguém?

Preparei um "recipiente" pra ele receber luz e não contaminar com trichoderma tão fácil.

po-iv38.jpg

Mas ficou apertado. Hehehe. Tenho que pensar nessas coisas ANTES de começar a fazer o recipiente.

Os potes com substrato estão indo. São dois: um com tampa preta e um com tampa roxa:

Tampa roxa:
po-iv39.jpgpo-iv40.jpgpo-iv41.jpg

Tampa preta:
po-iv42.jpgpo-iv43.jpgpo-iv44.jpgpo-iv45.jpg

O outro saco de lixo com substrato (só serragem e milho) contaminou com trichoderma, então descartei. Estava demorando pra colonizar, também. O micélio no pote preto está procurando uma abertura pra frutificar, parece, se estendendo para onde tem ar. Aí, estou meio sem chão. Tenho que esperar mais um tempo pra o micélio do saco preto se recuperar da "ginástica" que fiz pra ele entrar na garrafa, pra poder começar a expor à luz. Enquanto isso, vou esperando esses potes terminarem de colonizar. Tenho q maior vontade do mundo de sacudir eles, pra acelerar, mas não sei se é uma boa. Será?

Abração, gente.

Update - 24/10/2013

Gente, tirei um monte de fotos do primeiro flush (que foi bem engraçado... os cogumelos tiveram um tipo de malformação), mas não vou postar tudo aqui, porque com a mudança de sistema a gente tem que fazer upload de uma foto de cada vez, daí demora horas pra montar um post. Mas posto algumas, né? Melhor que nada.

Ainda tem dois potes com substrato e um com borra de café. Nham.

po-iv46.jpgpo-iv47.jpgpo-iv48.jpgpo-iv49.jpgpo-iv50.jpgpo-iv51.jpgpo-iv52.jpgpo-iv53.jpgpo-iv54.jpg

Abração.

04/11/2013 - Update

Senhôures, vou deixar os updates um pouco mais espaçados agora que o cultivo já deu certo, e que tudo já está passo a passo nos posts. Fica aqui como um cantinho de contar novidades aos amigos.

Fiz um terreiro com um organizador de plástico transparente, perlita e água (com água sanitária). Pega bastante luz indireta e fica em um lugar relativamente fresco, à noite. Coloquei ali o pote preto (que estava colonizado) e o substrato colonizado que já deu o primeiro flush, queria ver se saía outro. Está saindo, tem vários focos de frutificação (e um grandão que saiu antes dos outros). Posto as fotos embaixo:

po-iv55.jpgpo-iv56.jpgpo-iv57.jpgpo-iv58.jpg

Informação do Diário

Categoria
Cogumelos Comestíveis
Adicionado por
InVinoVeritas
Visualizações
592
Monitoradores
1
Última atualização
Rating do autor
4.75 strela(s)

Mais em Cogumelos Comestíveis

Compartilhar este diário

Back
Top