Teonanacatl.org

Aqui discutimos micologia amadora e enteogenia.

Cadastre-se para virar um membro da comunidade! Após seu cadastro, você poderá participar deste site adicionando seus próprios tópicos e postagens.

  • Por favor, leia com atenção as Regras e o Termo de Responsabilidade do Fórum. Ambos lhe ajudarão a entender o que esperamos em termos de conduta no Fórum e também o posicionamento legal do mesmo.

Artigo Tropismo nos cogumelos P. Cubensis

Artigos & Livros details

Tropisms in the Mushroom Psilocybe cubensis
Edmond R. Badham
Mycologia, Vol. 74, No. 2. (Mar. - Apr., 1982), pp. 275-279.
Stable URL:
http://links.jstor.org/sici?sici=0027-5514(198203/04)74:2<275:TITMPC>2.0.CO;2-9


----------------------------------------------------

Achei essa experiência muito bacana, traduzi algumas partes mais relevantes (na minha opinião) do inglês. Tese na íntegra em anexo.



O crescimento dos cogumelos Psilocybe cubensis, foi estudado em um túnel de vento sob condições controladas de: velocidade do vento, umidade, temperatura e luz. A estirpe do basidiocarpo cresceu em direção ao vento no momento próximo a formação de esporos. Quando girado (rotarizado) com o longo eixo da estirpe perpendicular ao vento, os frutos cresceram retos para cima (verticalmente). Quando o processo de esporulação era iniciado um processo de curvatura era visto, um geotropismo 'negativo'. O interessante da análise foi que em exemplares 'mutantes' (os que não produziam esporos) não foi verificado o fenômemo.

A iniciação e desenvolvimento de muitos cogumelos são controlados por estímulos do ambiente (Reijnders, 1963; Taber, 1973; Manachére, 1980).
Muitos cientistas alegam a existência de um hormônio involvido no tropismo (Gruen, 1963; Hagimoto, 1963).

O experimento foi feito com arroz integral esterilizado em autoclave.

Low Speed Wind Tunnel: (a máquina onde foram feitos os experimentos):




Ilustração da experiência:




Algumas discussões do autor:

Quando as primórdias do cogumelo entre Fase 1 e Fase 2 (FIG. 2) são colocados no túnel de vento o crescimento da estirpe é dirigido para o fluxo de ar (Fig. 2A, 0-24 h). Se as culturas são giradas perpendicular ao vento, o crescimento é para cima (Fig.2b, 0-24 h). Esse crescimento ocorre em um fotoperíodo de 12 h ou na escuridão, em basiodicarpos férteis ou estéreis, e em culturas em que os basidiocarpos foram colocados na câmara com as estirpes dirigidas longe do vento.

Cogumelos na Fase 2 mostram uma resposta de tropismo diferente. Com as 12h de fotoperíodo
um geotropismo negativo é expresso em basidiocarpos férteis, isto é, o píleo vira para cima na direção do vento e abre com as lamelas de frente para para baixo (Fig. 2A, 24-48 h).
Isto ocorre quando a luz incidente parte de cima ou abaixo das culturas.
Curiosamente esta curvatura não ocorre em estirpes estéreis. (Fig. 2c, 2448 h) ou na ausência de luz (formação de esporos é mínima).

O resultado disto poderia ser que o lado de que recebe mais vento da estirpe seria exposto a um maior efeito de secagem do que o lado de protegido do vento. Este efeito da secagem ou por evaporação é uma função de pelo menos quatro fatores: do vento, umidade, luz e temperatura.
Tal diferencial pode ocasionar as células da estipe a crescer em taxas diferentes, resultando
na curvatura.

Uma explicação alternativa é que os cogumelos estejam respondendo a força do vento.

Se o mecanismo de alongamento da estirpe envolve um gradiente de demanda por evaporação,
a luz poderia ter uma influência substancial sobre este tropismo, por aquecer a superfície do cogumelo e aumentar a evaporação da água ou de outros gases.

.





tropismo01.jpgtropismo 02.jpgtropismo 03.jpg

Informação do Artigos & Livros

Categoria
Artigos & Livros
Added by
tupy
Visualizações
518
Última atualização

Downloads

  • 0 bytes · Visualizações: 43
  • Tropisms in the Mushroom Psilocybe cubensis[1].pdf
    219.1 KB · Visualizações: 160

Mais em Artigos & Livros

Mais do(a) tupy

Share this Artigos & Livros

Back
Top