Teonanacatl.org

Aqui discutimos micologia amadora e enteogenia.

Cadastre-se para virar um membro da comunidade! Após seu cadastro, você poderá participar deste site adicionando seus próprios tópicos e postagens.

  • Por favor, leia com atenção as Regras e o Termo de Responsabilidade do Fórum. Ambos lhe ajudarão a entender o que esperamos em termos de conduta no Fórum e também o posicionamento legal do mesmo.

Artigo A expansão urbana do Kampo (phillomedusa bicolor)notas etnograficas

Artigos & Livros details

a bicolor)
como estimulante cinegético e revigorante por populações indígenas do alto e médio rio Juruá

foi registrado há 80 anos pelo missionário espiritano Constantin Tastevin. Nos últimos anos o
uso da dita secreção alcançou os grandes centros urbanos e teve, como se pode presumir,
adensados novos significados. Como protagonistas de várias reportagens jornalísticas ou como
palestrantes e aplicadores de kampo em congressos xamânicos e clínicas de terapias alternativas,
os Katukina são personagens centrais para a compreensão das novas formas de uso da secreção
do sapo-verde nos centros urbanos. Neste artigo

apresentaremos uma etnografia preliminar
da difusão do kampo pelos Katukina, analisando sobretudo o discurso que eles e seus novos
parceiros urbanos têm produzido sobre o uso da secreção como um “remédio indígena”. Um
“remédio” muito especial, pois como consta nos materiais de divulgação da aplicação do kampo,
a substância é usada “tradicionalmente” tanto para eliminar a “má sorte”, a “panema”, quanto
a “inveja, a fraqueza e a falta de harmonia com a natureza”, entre outras coisas.
Kampo (Phyllomedusa bicolor). TI Katukina do rio Campinas, janeiro de 2005
Foto: Bruno Filizola
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 315 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________
Drogas e cultura: novas perspectivas
Há 80 anos, o missionário Constantin Tastevin assim escrevia sobre o uso que populações
indígenas do Alto Juruá faziam da secreção da rã conhecida, nas línguas pano, como kampo
ou kampu:
O exército de batráquios é incontável. O mais digno de ser notado é o campon dos Kachinaua. [...] Quando um
indígena fica doente, se torna magro, pálido e inchado; quando ele tem azar na caça é porque ele tem no corpo um
mau princípio que é preciso expulsar. De madrugada, antes da aurora, estando ainda de jejum, o doente e o azarado
produzem-se pequenas cicatrizes no braço ou no ventre com a ponta de um tição vermelho, depois se vacinam com
o “leite” de sapo, como dizem. Logo são tomados de náuseas violentas e de diarréia; o mau princípio deixa o seu
corpo por todas as saídas: o doente volta a ser grande e gordo e recobra as suas cores, o azarado encontra mais caça
do que pode trazer de volta; nenhum animal escapa da sua vista aguda, o seu ouvido percebe os menores barulhos,
e a sua arma não erra o alvo (Tastevin, 1925, p. 19-20).
Esta é possivelmente a primeira descrição da aplicação cutânea do kampo entre populações
indígenas da Amazônia brasileira. Como se pode perceber, a secreção do sapo-verde serviria
não só como um estimulante cinegético – o uso pelo qual é mais conhecido e comentado entre
os índios do Alto Juruá –, mas também como “remédio”, pois seria capaz de fazer seus
usuários tornarem-se gordos e fortes. O mesmo afirmam as populações do Alto Juruá ainda
hoje. Em um filme sobre os Yawanawá, lançado em 2004, produzido e dirigido por uma de suas
lideranças, o kapun, como chamam o sapo-verde, é apresentado como “a vitamina dos índios”.
Por sua vez, nas palavras de Cataiano, um índio Kaxinawa, “quando não existia medicação, era
o melhor remédio que tinha para os índios. Servia para todas as doenças: febre, dor, amarelão,
cansaço” (Souza e outros 2002, p. 609). Do mesmo modo, os Katukina e os Yawanawá concordam
que a secreção do sapo serve para tratar indisposições diversas, particularmente cansaço e
sonolência (cf. Lima, 2000; Pérez Gil, 1999). Para os Katukina há uma estreita associação
destes sintomas com a preguiça, um comportamento anti-social por excelência que, como
detalharemos adiante, repudiam fortemente (Lima, 2000). Justamente para combater a
preguiça, entre os Katukina, como ocorre em outros grupos, homens e mulheres aplicam o
kampo em distintas partes do corpo: os homens aplicam-no nos braços e no peito, e as
mulheres, nas pernas. As diferenças nos locais de aplicação pretendem dar conta das partes do
corpo mais exigidas pelas atividades desempenhadas por homens e mulheres (Lima, 1994).
Os três grupos que acabamos de mencionar não usam o sapo-verde da mesma maneira.
Os Kaxinawá, diferentemente dos dois outros grupos, usam a secreção da rã em menor
quantidade: aplicam de 2 a 10 “pontos” nas pernas ou nos braços (Aquino; Iglesias, 1994). Há
um registro que diz que os Yawanawá chegam a fazer de 50 a 60 “pontos” (Pérez Gil, 1999, p.
93-94) e os Katukina, de uma só vez, podem chegar a receber mais de uma centena deles
(Lima, 2000) – no passado dizem que podiam triplicar este número –, uma marca considerada
excessiva por todos os outros usuários indígenas da secreção do sapo-verde (Souza e outros,
2002).
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 316 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info317
A expansão urbana do kampo (Phyllomedusa bicolor): notas etnográficas
Embora tenhamos iniciado nos reportando ao uso que grupos indígenas de língua pano
fazem da secreção do sapo-verde – mais conhecido entre eles como kampu, kampo e kapun
– neste artigo trataremos sobretudo da difusão do kampo no meio urbano. Para tanto,
iniciaremos expondo seu uso entre os Katukina
3
para, na seqüência, tratar da sua expansão
urbana, que inclui não apenas as diversas cidades do Acre, nas quais residem parte dos usuários
e aplicadores da secreção do sapo-verde, mas sobretudo os grandes centros urbanos, como São
Paulo, Brasília e Rio de Janeiro.
Nos centros urbanos tem havido um duplo interesse pelo kampo: como um “remédio
da ciência” – no qual se exaltam suas propriedades bioquímicas, confirmadas pelas várias
tentativas internacionais do que se entende vulgarmente ser o “patenteamento da substância”
4
– e como um “remédio da alma” – onde o que mais se valoriza é sua “origem indígena”. As
duas alternativas seguem paralelamente; a escolha por uma delas não cancela necessariamente
a outra. Falaremos mais sobre isso adiante; por ora cabe dizer apenas que em circuitos neoxamânicos, uma porção específica do movimento New Age, parece que um determinado tipo
de terapia, seja ela qual for, pode ter maior sucesso caso exista um “selo de origem indígena”
(Magnani, 1999). É o caso do kampo.
Nota metodológica
Antes de continuar é preciso dizer que a idéia de escrever este artigo surgiu após um
intenso diálogo entre nós duas sobre a difusão urbana do kampo. Dados nossos interesses
anteriores e atuais de pesquisa, pensávamos o uso da secreção do sapo-verde por vias diferentes.
Uma conduziu seus estudos entre os Katukina, moradores de duas terras indígenas do Acre,
entre os quais fez longos períodos de pesquisa de campo com vistas à conclusão de seus
estudos de mestrado e doutorado (Lima, 1994, 2000). Havia talvez se acostumado com o que
pensava ser o modo “tradicional” de uso do kampo: para aumentar o vigor de homens e
mulheres para o desempenho das atividades próprias de seus gêneros – particularmente para
combater a panema, ou yupa, como os Katukina chamam a má-sorte na caça, e a “preguiça”
(tikish), um conceito complexo sobre o qual falaremos adiante. A segunda vinha de um longo
período de pesquisa com os “neo-ayahuasqueiros” urbanos brasileiros e com a
internacionalização do vegetalismo ayahuasqueiro peruano (Labate, 2004b e 2004c), talvez
mais acostumada às “reinvenções”, e se deparava agora com partes dos grupos com os quais
convivera durante anos fazendo uso da secreção do sapo-verde. A idéia foi unir esforços para
acompanhar e registrar a aproximação de dois grupos e contextos de usos tão distintos, ligados
por alguns personagens centrais.
Para que tal empresa pudesse se realizar, Beatriz Labate, que havia conhecido o kampo
em 1999, em São Paulo, através de um psiquiatra líder de uma dissidência da religião
ayahuasqueira União do Vegetal e do seringueiro acreano Francisco Gomes – que contribuiu
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 317 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info318
Drogas e cultura: novas perspectivas
decisivamente para a difusão urbana do kampo, como veremos adiante – passou a fazer, a
partir de 2005, pesquisa de campo entre seus usuários urbanos. Acompanhou parte das
atividades de um índio kaxinawá na cidade de São Paulo e a participação de um katukina, Ni’i,
no I Encontro Brasileiro de Xamanismo,
5
e também ouviu-o numa das quatro palestras que
fez sobre o kampo, no mês seguinte, em uma clínica de terapias alternativas da capital paulistana.
Na mesma época tentou entrevistá-lo, bem como a outro katukina que estava em São Paulo. As
entrevistas foram, contudo, recusadas. O mesmo ocorreu com Sônia Valença de Menezes, uma
parceira urbana dos Katukina e, em grande medida, a principal divulgadora do kampo em São
Paulo e em outras cidades. Mais tarde, em julho, um desses katukina envolvidos na expansão
urbana do kampo disse para Edilene Coffaci de Lima que a entrevista não foi concedida porque
a publicação, então recente, de uma matéria sobre o kampo em um dos maiores jornais do
país, na Folha de São Paulo, tornou-os temerosos da publicidade que se estaria dando a uma
prática antes restrita às aldeias, e sobre a legalidade das quais pairam dúvidas.
6
As palestras
gravadas em março e abril foram enviadas para Edilene Coffaci de Lima.
Em janeiro e julho de 2005, Edilene Coffaci de Lima esteve na TI do rio Campinas, onde
pôde saber da repercussão da difusão urbana do kampo nas aldeias katukina. Nos mesmos
períodos pôde também, em conversas informais e em entrevistas, se inteirar sobre a expansão
do uso do kampo em cidades acreanas, particularmente em Cruzeiro do Sul – próximo de
onde os Katukina estão localizados e onde residem os familiares de Francisco Gomes.
Talvez um tanto ecléticos, nossos esforços foram de buscar uma compreensão que não
se concentre em apenas uma das pontas de um processo que é bastante complexo. Entre as
aldeias, as cidades da Amazônia e as grandes cidades, a difusão do kampo envolve toda uma
rede de alianças, re-elaborações, arranjos e cálculos político-culturais que puderam ser melhor
compreendidos ou devidamente explorados a partir dos vários focos e sujeitos da expansão do
uso da substância que alguns agora chamam de “a esmeralda da floresta”.
Feito esse esclarecimento metodológico, voltemos ao kampo.
Kampo: droga, veneno ou fármaco?
Veremos aqui diversas concepções em torno da secreção do sapo-verde: entre indígenas,
entre antropólogos e entre os discursos médicos e da cultura new age que parece ora se formar
em torno da célebre rã no meio urbano. A partir do contraste destas perspectivas tentaremos
entender a construção de significados que têm permitido ao kampo alcançar fama nacional,
assim como em que medida ele é útil para pensar questões importantes para o campo de
estudo das “drogas”.
Vejamos, inicialmente, de maneira sucinta, como a medicina tem abordado o tema.
Pouco se sabe sobre as ações neuropsíquicas e fisiológicas do kampo. Sabe-se, com certeza,
que o uso da secreção promove alterações no Sistema Nervoso Central (SNC), podendo, neste
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 318 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info319
A expansão urbana do kampo (Phyllomedusa bicolor): notas etnográficas
sentido, ser considerada uma “droga”
7
ou “substância psicoativa”.
8
Essas alterações no cérebro
provavelmente são provocadas pelos peptídeos
9
opióides que a secreção contém, as dermorfinas
e deltorfinas, cuja estrutura é semelhante aos opióides endógenos humanos. Embora, de
maneira geral, os receptores de opióides estejam relacionados à alteração de humor e do
comportamento, as pesquisas enfocam mais as propriedades analgésicas do kampo.
Em todo o caso, as alterações são creditadas apenas parcialmente ao seu efeito analgésico
– o efeito da secreção é muito mais complexo do que aquele provocado apenas pelas deltorfinas
e dermorfinas: além desses peptídeos, a secreção se constitui também de outras substâncias
que indubitavelmente têm um efeito bastante potente no SNC (Daly e outros, 1992; Negri et
al. 1992). Os efeitos – sejam destas substâncias ainda pouco conhecidas ou dos peptídeos
opióides sintetizados a partir do DNA do kampo –, nos termos médicos, seriam, no máximo,
capazes de propiciar um certo bem estar, combate à fadiga, excitação e efeito analgésico
mencionado anteriormente – mas não de natureza “alucinógena”. Noutras palavras, o kampo
pertenceria, portanto, à família dos “psicolépticos”,
10
onde estão incluídas substâncias como o
álcool e os opiáceos, e não à família dos “psicodislépticos”, onde estão incluídos os
“alucinógenos”.
11
É importante ressaltar, contudo, que não há estudos clínicos sistemáticos
realizados sobre o kampo, portanto, pouco se pode afirmar sobre a psicoatividade da substância
entre humanos.
12
A literatura antropológica geralmente tem descrito o uso do sapo verde relacionando-o
aos contextos da caça e da panema, sem chamar atenção para as suas possíveis propriedades
psicoativas. Encontramos apenas duas referências que associam o kampo à família dos
“alucinógenos”, substâncias capazes de induzir visões: uma é de Carneiro (1970), que escreveu
sobre o uso do kambo entre os Amahuaca, um grupo de língua pano localizado no Peru; a outra
é de Peter Gorman, “escritor e aventureiro”, segundo sua própria definição, que experimentou
a secreção do sapo-verde entre os Matsés, também localizados na Amazônia peruana, na
década de 1990. De acordo com o primeiro autor (Carneiro 1970, p. 131, tradução nossa), após
a aplicação da secreção do sapo-verde, “enquanto está sob o efeito da toxina, ele tem vívidas
alucinações que são vistas como experiências sobrenaturais”. Infelizmente Carneiro não
ofereceu maiores detalhes das aplicações entre os Amahuaca, nem sobre suas propriedades
“alucinógenas”. Em nota no final do artigo, o autor aproxima o uso da secreção do sapo-verde
àquele da ayahuasca e esclarece que os Amahuaca “também bebem ayahuasca para induzir
visões de espíritos, mas não para auxiliá-los na caça”.
Por sua vez, Gorman (1993) trocou informações sobre os efeitos que experimentou da
aplicação do kampo com Vittorio Erspamer,
13
um dos primeiros bioquímicos (senão o primeiro)
a estudar a Phyllomedusa bicolor. De acordo com Gorman (1993, p. 86-93, tradução nossa),
Erspamer – seguindo a interpretação biomédica corrente – escreveu-lhe que “nenhuma
alucinação, visões ou efeitos ‘mágicos’ são produzidos pelos peptídeos conhecidos do sapo” e
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 319 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info320
Drogas e cultura: novas perspectivas
chegou a especular se as “alucinações” não seriam provocadas por outras substâncias que os
Matsés utilizam – que Gorman suspeitou poderia ser o rapé nu-nu.
Já nos contextos urbanos, o kampo parece estar sendo reapropriado como uma espécie
de planta de poder, análogo a substâncias como, por exemplo, a ayahuasca, o peiote e os
“cogumelos mágicos” – compreendidas como plantas habitadas por espíritos e capazes de
transmitir ensinamentos (Labate; Goulart; Carneiro, 2005).
14
A associação entre o kampo e a
ayahuasca em particular se dá através de múltiplas dimensões. Em primeiro lugar, vale
lembrar que boa parte dos aplicadores e de sua clientela são ayahuasqueiros; às vezes, as
aplicações do kampo ocorrem logo após o consumo de ayahuasca, e no mesmo local. Em
segundo, a associação parece se dar devido aos efeitos físicos que ambos (ayahuasca e kampo)
podem provocar – como vômitos, mal-estar, náuseas e diarréias – sugerindo a interpretação,
por parte de seus consumidores, de que ambas substâncias pertencem a uma mesma categoria
de coisas, são “parentes”. O kampo, que também pode “causar peia”, é transportado desta
forma para a modalidade de “planta professora”.
Coletamos alguns relatos de terapeutas e de seus clientes urbanos que experimentaram
o kampo e afirmaram ter tido visões com o mesmo. Enfim, seja através de uma aproximação
com as religiões ayahuasqueiras brasileiras ou da adoção de um idioma “xamânico” típico do
movimento new age, a secreção do sapo-verde está sendo descrita e veiculada como uma
experiência de “jornada da alma”, de “encontro consigo mesmo” – usos bastante diversos
daqueles feitos pelos Katukina e outras populações indígenas amazônicas.
Por último, a mídia também parece colaborar para consolidar a associação Daime-kampo
através do tema da biopirataria: ambos seriam “conhecimentos tradicionais”, dos “povos
amazônicos”, que estariam sendo “roubados” ou “patenteados pelos gringos”. Desta forma, no
imaginário urbano, o kampo passa a ser visto como “um tipo de droga parecido com o Daime” –
e, analogamente, adquire o status de remédio que cura, ou inversamente, de droga perigosa.
A força simbólica da secreção do sapo parece derivar, justamente, de seu caráter ambíguo:
o kampo é a uma só vez “veneno”, “fármaco” e “droga”, pertencendo a uma zona fronteiriça
perigosa e potencialmente rica, característica típica dos espaços de difícil classificação (Douglas,
1976). Para alguns, é um poderoso “remédio”; para outros, “veneno” que intoxica, ou
simplesmente “placebo” cuja propaganda precisa ser controlada; ainda, pode ser uma “droga”
que altera a consciência e permite uma compreensão profunda do mundo invisível ou, ao
contrário, falseia a realidade, devendo ser banida. Vale lembrar que a ambigüidade entre “cura”
e “intoxicação” está na própria noção do phármakon grego, da antiguidade, que significa remédio
e veneno ao mesmo tempo (Escohotado, 1989). Atualmente, em linhas gerais, pode-se afirmar
que há uma dicotomia ideológica entre “droga” e “fármaco”: enquanto a primeira é vista
como “veneno”, o segundo é tido como “remédio” – e esta distinção fundamenta a definição
das drogas ilícitas e lícitas (Carneiro, 2005).
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 320 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info321
A expansão urbana do kampo (Phyllomedusa bicolor): notas etnográficas
Há, portanto, diversas maneiras de se relacionar e de conceituar a secreção de uma rã
que vive na Amazônia entre usuários (indígenas, seringueiros, terapeutas e clientes urbanos)
ou especialistas (antropólogos, jornalistas, médicos etc). Neste sentido, o kampo é um laboratório
especialmente fecundo para pensar a centralidade das variáveis farmacológicas na determinação
das experiências com substâncias psicoativas. O caso ilustra, conforme costumam argumentar
cientistas sociais numa área de estudos marcada pela hegemonia dos discursos biomédicos,
que é necessário levar em conta também o set (contexto psicológico do usuário) e o setting
(contexto social do uso) (Zinberg, 1984). Becker (1966), a propósito dos usos regulares da
Cannabis, afirma que o hábito de consumo de uma substância psicoativa implica em aprender
a reconhecer os seus efeitos e apreciá-los.
Observamos que o contexto cultural influencia a maneira de compreender os próprios
efeitos físicos provocados pela substância. O kampo explicita o argumento segundo o qual é
difícil separar os “efeitos” de um psicoativo – parte supostamente dada pela “objetividade
farmacológica” – da “interpretação” sobre a experiência: nada é absorvido sem antes ser
simbolizado.
15
Do ponto de vista médico, ou dos Katukina (mas por caminhos diferentes), não faz
sentido afirmar que o kampo causa “visões”, porém estas têm sido relatadas por usuários
urbanos.
16
Em todo caso, o que parece importar é que as substâncias são classificadas a partir
do contraste que apresentam entre si, isto é, de maneira relacional. Só faz sentido falar em
“droga”, ou “remédio” a partir do contexto onde elas aparecem, seu contexto de uso/consumo.
Atentar para a importância do contexto cultural na explicação do fenômeno das “drogas” não
significa, contudo, atribuir uma primazia à explicação antropológica: antropólogos podem,
involuntariamente, estender para seus objetos de estudo o que imaginam ser a experiência
com um psicoativo. Além disso, a descrição dos fenômenos a partir das nossas próprias
categorias – como “alucinação” – já traz, por si, sérios riscos. Este conceito é relativamente
recente, tendo surgido apenas no século XX: até então todas as experiências de estado alterado
de consciência eram entendidas como “embriaguez” (Carneiro, 2002). É preciso, portanto,
atentar para as classificações nativas da experiência, bem como para os discursos de várias
ciências na tentativa de alcançar uma compreensão mais ampla da experiência de consumo
de substâncias psicoativas.
A expansão urbana do kampo
De acordo com Lopes (2000), as primeiras aplicações de kampo, em um grande centro
urbano, foram feitas em São Paulo no ano de 1994. A versão agora corrente dá conta de que
um único seringueiro, Francisco Gomes (mencionado acima), falecido em 2001, que viveu
entre os Katukina no riozinho da Liberdade, na década de 1960, é o principal responsável pela
difusão urbana do kampo. Uma parte bastante significativa do que se tem publicado
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 321 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info322
Drogas e cultura: novas perspectivas
recentemente sobre o tema oficializa tal versão – confirmada pelos próprios Katukina –, que
apareceu pela primeira vez em 2001 na revista Outras Palavras, editada pelo governo do Acre.
Esta matéria inaugurou uma longa série de reportagens em jornais e revistas de circulação
regional e nacional sobre o uso do sapo-verde – antes restrito às publicações acadêmicas.
18
Certamente as reportagens registram um fenômeno que se dá na realidade: para além
das fronteiras acreanas, muitas pessoas passaram a experimentar ou a usar regularmente a
secreção do sapo-verde, sobretudo em clínicas de terapias alternativas, em encontros xamânicos
e no ambiente das religiões ayahuasqueiras brasileiras (Labate; Araújo, 2004a). Através da
difusão feita, sobretudo, pelos terapeutas holísticos e por adeptos e ex-adeptos dessas religiões,
particularmente da União do Vegetal (ou UDV) e do Santo Daime, o kampo rapidamente
alcançou limites até há pouco tempo imprevistos.
18
Não é difícil encontrar hoje em São Paulo,
Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília ou Curitiba quem aplique a secreção do kampo e tais
cidades recebem visitas periódicas de ex-seringueiros e índios – Katukina e Kaxinawá,
particularmente – com o mesmo fim. No caso dos Katukina, há cerca de três anos eles contam
com o apoio de Sônia Valença de Menezes – que se apresenta como terapeuta floral,
acupunturista e representante da Associação Katukina do Campinas (AKAC) em São Paulo,
sobre quem falaremos adiante – para organizarem palestras, atendimentos e sessões de
aplicação de kampo.
Toda essa divulgação e interesse científico pelo kampo, embora promovam alguma
desconfiança – afinal, as suspeitas de biopirataria vicejam na Amazônia –, elevou o kampo à
condição de “sinal diacrítico” entre os Katukina – um marcador vistoso da identidade do grupo.
Mais que uma substância capaz de livrar homens e mulheres de condições negativas, como o
azar na caça ou indisposições e “fraquezas” diversas (entendidas como “preguiça”), o kampo
tem facilitado aos Katukina a afirmação positiva de sua identidade. Nesse sentido, o kampo
tem permitido aos Katukina uma presença mais marcante no campo da política indígena e
indigenista acreana que, como ocorre em outros locais, é bastante disputado. Entre os Ashaninka,
com sua forte presença política no Alto Juruá (Pimenta, 2004), e a expressiva presença numérica
e política dos Kaxinawá, os Katukina certamente ocupam uma posição desprivilegiada e talvez
até mesmo marginal no indigenismo acreano – que o kampo parece ajudar, senão a reverter,
a equilibrar em bases menos desfavoráveis.
19
O manejo do kampo como um símbolo étnico pode ser percebido no fato de que há
pouco tempo um desenho do sapo-verde passou a fazer parte da logomarca da Associação
Katukina do Campinas (AKAC) e, em julho de 2005, após gravarem as músicas do CD recémlançado pelo grupo, uma de suas lideranças decidiu que o repertório teria início com um velho
imitando o som de duas espécies de kampo e a primeira música sendo justamente uma que
trata da sorte trazida pelo sapo-verde, cujo refrão insistentemente repete seu nome vernáculo.
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 322 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info323
A expansão urbana do kampo (Phyllomedusa bicolor): notas etnográficas
Em pequenas ações, os Katukina afirmam seu interesse em ter o kampo estritamente –
senão exclusivamente – associado ao grupo.
A sua principal parceira urbana, Sônia Valença de Menezes, defende a idéia de que os
Katukina são os principais – ou talvez os verdadeiros – detentores dos conhecimentos sobre o
kampo. Na palestra que ela e um katukina, Ni’i, proferiram no I Encontro Brasileiro de
Xamanismo, assim afirmou ela sobre o uso que os Katukina e outros grupos indígenas do Vale
do Juruá fazem do kampo: “Embora todas as etnias que vivem por ali tenham conhecimento
deste remédio, os katukina são considerados zeladores deste remédio porque eles tomam
muito... estão sempre tomando... toda a vida deles, a alegria deles, a saúde deles é saída de
uma rã”.
Dado o interesse que o kampo passou a despertar entre a população não-índia, em abril
de 2003 – ano em que foram publicadas treze matérias sobre o kampo em jornais acreanos –
os Katukina encaminharam à Ministra Marina Silva uma carta solicitando que o Ministério do
Meio Ambiente (MMA) coordenasse um estudo sobre o sapo-verde. A ministra acolheu a demanda
dos Katukina e, no momento, está em curso no MMA a elaboração de um projeto de pesquisa
envolvendo antropólogos,
20
biólogos moleculares, médicos e herpetólogos, entre outros
profissionais. A expectativa é que tais estudos possam contribuir para regulamentar o uso do
kampo por não-índios e, ao mesmo tempo, assegurar benefícios econômicos para seus usuários
tradicionais.
21
Além dos Katukina, está previsto que o projeto do MMA seja desenvolvido também
entre os Yawanawá e Kaxinawá.
O kampo nas aldeias katukina
Os Katukina, falantes de uma língua pano, chamam de kampo o anfíbio Phyllomedusa
bicolor e outras espécies do gênero Phyllomedusa, da qual usam a secreção principalmente
como um estimulante cinegético, capaz de aguçar os sentidos do caçador e de livrá-lo da
desconfortável condição de panema (yupa), uma pessoa azarada na caça. Com igual finalidade,
vários outros grupos indígenas moradores do sudoeste amazônico, a maior parte deles da mesma
família lingüística, fazem uso do kampo, que acabou se difundindo entre os seringueiros que
se estabeleceram na região a partir do final do século XIX, e entre os quais as aplicações do
kampo são conhecidas como “injeção de sapo”, “vacina do sapo” ou como kambô,
22
na forma
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 323 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info324
Drogas e cultura: novas perspectivas
como os brancos passaram recentemente a designar essa rã. Para terem mais sorte na caça,
índios e seringueiros usam também aplicar a secreção do kampo em seus cachorros.
23
O uso do kampo em grandes quantidades, entre os Katukina, é feito exclusivamente
pelos jovens; homens mais velhos, mulheres e crianças utilizam-no em dosagens menores.
Independentemente da dosagem utilizada, as aplicações de kampo devem ser feitas nas
primeiras horas da manhã, ainda com o frescor da noite. Logo ao acordar, após ter jejuado
durante toda a noite, a pessoa que receberá a aplicação deve ingerir uma grande quantidade de
caiçuma (bebida de macaxeira, que os Katukina consomem sem deixar fermentar) ou, na falta
desta, de água. A aplicação é feita queimando superficialmente a pele com um pedaço de cipó
titica e, em seguida, depositando na queimadura (chamada de “ponto”) a secreção do kampo
– diluída em água ou saliva para desfazer a cristalização. Para eliminar algum mal-estar físico
Preparativos para a coleta da secreção do kampo, TI Katukina do rio
Campinas, julho de 2005
Foto: Paulo Roberto Homem de Góes
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 324 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info325
A expansão urbana do kampo (Phyllomedusa bicolor): notas etnográficas
ou indisposições difusas, as mulheres e homens velhos aplicam na perna, na panturrilha, de
dois a cinco “pontos”.
24
Diferentemente, se o objetivo é aguçar os sentidos para empreender uma caçada, um
rapaz pode chegar a receber mais de cem “pontos” de kampo – alguns velhos dizem hoje que
chegaram a receber trezentos “pontos” quando ainda eram jovens –, que formam uma fileira
que se inicia no pulso de um dos braços, percorre o peito até alcançar o umbigo, donde segue,
no lado contrário, até alcançar a extremidade do outro braço. Mesmo que seja corrente a idéia
de que essa super-dosagem é a mais indicada para tornar um homem um exímio caçador ou
para retirar-lhe a panema (yupa), nem todos têm disposição para suportar seus efeitos colaterais
e o uso que cada um fez ou faz da secreção do sapo-verde varia bastante entre os próprios
Katukina. Assim, tanto há homens que receberam uma única vez na vida a super-dosagem,
logo que se iniciaram nas atividades de caça, quanto há homens que de tempos em tempos
recorrem ao kampo para garantir uma performance mais vantajosa na caça, recebendo entre
20 e 100 “pontos”. Nos intervalos entre as aplicações esses homens recebem também as
dosagens menores.
25
A resistência de alguns homens à aplicação da super-dosagem do kampo deve-se creditar,
sobretudo, aos efeitos que têm de suportar: por volta do décimo “ponto” a boca fica amarga,
uma sensação de calor invade o corpo e os olhos e a boca começam a inchar. Para suspender
Aplicação do kampo. TI Katukina do rio Campinas, janeiro de 2005
Foto: Bruno Filizola
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 325 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info326
Drogas e cultura: novas perspectivas
os efeitos indesejáveis que as aplicações proporcionam, o mais indicado é banhar-se. O efeito
desagradável mais comum promovido pela entrada da secreção do kampo na corrente
sanguínea é o vômito. Mesmo a aplicação de poucos “pontos” induz os vômitos, que servem,
dizem os Katukina, para eliminar as impurezas que se acumulam no corpo.
Fora do contexto da caça, com maior ou menor freqüência, homens e mulheres fazem
uso do kampo. Desde muito cedo, entre o primeiro e segundo ano de vida, uma criança
começa a receber o kampo, quase sempre por iniciativa dos avós. Nesta idade a criança recebe
apenas um ou dois “pontos”. A partir, aproximadamente, dos seis anos de idade, as crianças
podem receber de dois a cinco “pontos” nos braços ou nas pernas. Este uso moderado do
kampo é feito para aliviar indisposições e “fraquezas” diversas, que tiram o ânimo das pessoas
para o desempenho das atividades mais simples, e que os Katukina conceituam como tikish,
palavra traduzida como “preguiça”. Neste caso, o uso do kampo é determinado primeiramente
pela avaliação moral negativa da "preguiça", e menos pelo desejo de se eliminar os incômodos
físicos decorrentes dela.
No panorama caboclo amazônico, como Galvão (1976) e Da Matta (1973) anteriormente
escreveram, a panema é entendida como incapacidade. Sobretudo incapacidade para abater
bichos, para caçar. De todo modo, ao indivíduo enpanemado falta disposição de modo
generalizado, o que faz com que ele seja considerado “incapaz”. Os Katukina têm uma
concepção próxima desta que acaba de ser exposta. Com o acréscimo de que alguém
enpanemado pode ser, na concepção nativa, além de azarado na caça, preguiçoso. Ou,
eufemisticamente, incapacitado para a vida social.
A preguiça tem para os Katukina uma significação extremamente negativa. Ao se deixar
dominar pela prostração, importa menos o fato de o preguiçoso não cumprir as tarefas que lhe
seriam cabíveis do que o fato de que ele não se engajou na teia social que une as pessoas
residentes numa mesma localidade. A avaliação sumamente negativa que os Katukina fazem
da preguiça foi já identificada em outros grupos de língua pano. Como Erikson (1996, p. 283)
bem observou entre os Matis, “a falta de zelo característica do estado de chekeshek (preguiça)
é percebida como uma ausência de reação ao estímulo social, uma resposta negativa ao
imperativo social, antes que como um torpor sui generis”.
A aplicação primordial do kampo como antídoto anti-panema e anti-preguiça ficou
também clara nas recentes filmagens de um documentário sobre os Katukina, que aconteceram
em julho de 2005. Vários rapazes receberam aplicação de kampo, contribuindo assim para
registrar a antiga prática. E fizeram-no de modo “tradicional”: receberam o kampo das mãos
de velhos caçadores, que esfregaram o sapo-verde diretamente sobre cada uma das pequenas
queimaduras feitas com cipó titica – alguns tinham mais de 120 “pontos” nos braços e peito.
Em seus depoimentos, todos exaltaram as qualidades da secreção do sapo-verde para espantar
a má sorte, a tal ponto que nenhuma outra justificativa chegou sequer a ser elencada. Mesmo
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 326 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info327
A expansão urbana do kampo (Phyllomedusa bicolor): notas etnográficas
as mulheres que tomaram o kampo – em dosagens menores, certamente – naquela ocasião
associaram-no à caça. No caso das mulheres sempre se fala da capacidade do kampo em
espantar o que chamam de “preguiça”, cuja conceituação acabamos de mencionar. Em seus
depoimentos durante as filmagens ficaram claros os prejuízos da tal “preguiça”: sem disposição
– ou “preguiçosas” –, as mulheres não acompanham seus maridos à mata para caçar, deixando
assim de colaborar no transporte do animal abatido e, indiretamente, fugindo do ato sexual.
Em ambas possibilidades, como estimulante cinegético ou como antídoto anti-preguiça,
o kampo deve ser aplicado por uma segunda pessoa, por alguém que não padeça do mal que se
quer debelar. Assim, apenas um caçador bem-sucedido é requisitado para aplicar kampo em
outro que tenha menos sorte. Na concepção dos Katukina, o caçador traz inscrito em seu corpo
a sua condição, a sua boa sorte, e é capaz de transferi-la para outros. Do mesmo modo, uma
mulher virtuosa, tida como trabalhadeira, é quem deverá fazer a aplicação do emético numa
jovem “preguiçosa”.
26
Existe a possibilidade de auto-aplicação, mas é reservada apenas às
pessoas mais velhas. Na concepção katukina, a secreção do kampo só produz resultados
positivos se for recebida das mãos de um aplicador de notáveis qualidades morais. Em outras
palavras, a eficácia da aplicação de kampo depende do virtuosismo do aplicador. A secreção
sozinha, sem um bom aplicador, não produz os resultados desejados.
O elo que se estabelece entre aquele que aplica a substância do kampo, o aplicador, e
aquele que a recebe deve ser duradouro e o desejável é que seja definitivo. Assim, de uma
perspectiva masculina, um jovem rapaz quando vai receber, como caçador, sua primeira
aplicação de kampo deve escolher quem será seu aplicador – como indicado acima, um homem
que se destaca nesta atividade, quase sempre de uma geração acima da sua. Caso a aplicação
lhe traga boa sorte, voltará a procurar o mesmo aplicador outras vezes, possivelmente por toda
a vida. Ainda que não haja uma formalização desta relação – entre aquele que aplica o kampo
e aquele que recebe a aplicação –, muitas vezes os homens falam dela como se fosse definitiva.
Ao contrário, caso a aplicação não traga a boa sorte esperada, o jovem caçador continuará
tentando encontrar o seu aplicador ideal, aquele capaz de lhe transferir todas as qualidades
cobiçadas para a prática da caça. A escolha do aplicador ideal faz-se pelo teste empírico: o
sucesso na caçada logo após a aplicação é que vai indicar o futuro retorno ao mesmo aplicador.
Não é raro que um jovem caçador tenha mais de um aplicador de kampo a quem recorrer de
tempos em tempos.
Não há exatamente especialistas na aplicação da secreção do kampo entre os Katukina.
Do que foi exposto acima é evidente que os caçadores mais bem-sucedidos são os mais
requisitados como aplicadores e acabam, de fato, sendo reconhecidos também como tal. De
todo modo, o conhecimento acerca do kampo – seus hábitos, comportamento, a técnica de
coleta da secreção, da aplicação etc. – é público, não se concentra nas mãos de uns poucos.
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 327 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info328
Drogas e cultura: novas perspectivas
O kampo além das aldeias
O pouco segredo que se faz do kampo provavelmente explica a difusão de seu uso entre
os não-índios – entre os seringueiros ao longo do século passado e entre a população urbana,
nacionalmente, a partir do início deste século.
27
No cenário regional, repercussões sociais e políticas do protagonismo dos Katukina no
que diz respeito ao kampo já aparecem e afetam as relações inter-étnicas e também as relações
dos Katukina com membros de agências governamentais e não-governamentais. Em Rio Branco,
em janeiro de 2005, soubemos que lideranças de outros grupos indígenas estariam contrariadas
com os Katukina pelo fato de eles estarem sendo reconhecidos, na região e nacionalmente,
como os legítimos conhecedores do kampo. Furtivamente, parecia haver uma crítica ao
“monopólio” do kampo pelos Katukina. “Monopólio”, diga-se de passagem, que os Katukina
não exercem, visto que o primeiro a aplicar kampo em paulistanos foi, como vimos, um
seringueiro, o falecido Francisco Gomes, que viveu entre os Katukina na década de 1960, entre
os quais aprendeu a fazer uso da secreção da rã. Hoje seus filhos e um de seus netos fazem
aplicações em diversas capitais do país, além de serem requisitados como aplicadores entre
turistas que visitam o Acre – entre os quais podem ser incluídos, dentre outros, visitantes
alemães da Diocese de Cruzeiro do Sul. No mais, além dos Katukina, eventualmente há índios
de outras etnias, também oriundas do Acre – como os Kaxinawá –, aplicando kampo em
moradores da cidade de São Paulo, no Rio de Janeiro e em Curitiba.
No Acre, a hegemonia katukina sobre a utilização do kampo é ainda menos exercida: lá,
a comercialização da aplicação de kampo tem envolvido menos os índios – que localmente
parecem não ter tanto espaço para comercializar a aplicação da secreção – e muito mais os
brancos. Além disso, os adeptos e ex-adeptos de religiões ayahuasqueiras brasileiras, como é o
caso do Santo Daime e da União do Vegetal, têm feito amplo uso e divulgação do kampo –
dentro e fora do Acre. A propósito, não deve passar desapercebido que Francisco Gomes e
alguns de seus familiares, personagens importantes na divulgação do kampo para além das
fronteiras acreanas, são membros da União do Vegetal e possuem trânsito também com grupos
dissidentes da UDV e com igrejas do Santo Daime.
Lopes (2000) traça os itinerários das viagens de Francisco Gomes, na primeira metade
da década de 1990, aplicando kampo fora do Acre. Embora sem mencionar explicitamente a
UDV, o roteiro e os personagens citados no trabalho indicam que Francisco acompanhou
núcleos da instituição pelo país, passando por Porto Velho (onde se localiza a origem histórica
da União), Pocinhos do Rio Verde (MG), Campinas (SP) e São Paulo (SP), entre outros. Lopes
também menciona que Francisco esteve em Camanducaia (MG), onde há uma igreja do Santo
Daime.
28
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 328 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info329
A expansão urbana do kampo (Phyllomedusa bicolor): notas etnográficas
Conforme nos contou um de seus filhos, Ivanir Gomes, Francisco Gomes era um homem
versado nos “saberes da floresta”, conhecia muitas plantas e rezas que – mesmo depois de ter
saído do seringal, estabelecendo-se em Cruzeiro do Sul – usava para tratar as pessoas no Alto
Juruá. Para conservar seus conhecimentos, seus familiares criaram, em 2002, após sua morte,
a Associação Juruaense de Extrativismo e Meio Ambiente (AJUREMA),
29
que tem entre seus
objetivos divulgar o kampo e também contribuir com pesquisas científicas que explorem seu
potencial terapêutico e promovam a sua conservação.
30
Foi em 1999, em Camanducaia, que Francisco travou contato com Sônia Valença de
Menezes – que, como vimos, é hoje a principal parceira urbana dos Katukina quando o
assunto é kampo. Naquela ocasião, ela recebeu aplicações de kampo das mãos dele – o que,
segundo afirma, teria permitido curar-se de infertilidade. Mais tarde, ela tentou contatá-lo no
Acre para aprender a fazer as aplicações. No entanto, Francisco Gomes já havia morrido. Então
ela procurou por seus familiares, que, a essa altura, já haviam criado a AJUREMA (Leandro
Lopes, informação verbal, 2005). Os parentes de Francisco Gomes repassaram os conhecimentos
do kampo para ela, mediante o estabelecimento de algumas condições – entre elas, o repasse
de parte dos recursos oriundos das aplicações à AJUREMA. Aproximadamente um ano depois
ou um pouco mais do que isso, a parceria de Sônia Menezes com a AJUREMA acabou sendo
desfeita e ela passou a interagir diretamente com alguns Katukina, os quais, por sua vez,
conheceu através dos familiares de Francisco Gomes em Cruzeiro do Sul. Passou a levar dois
deles com uma certa regularidade a São Paulo e a outras cidades para participarem das
sessões de aplicação de kampo. Na ausência dos Katukina, trabalha sozinha. Sua clientela é
formada, em grande medida, por adeptos das religiões ayahuasqueiras – muitas vezes, a
aplicação do kampo ocorre após a conclusão dos “trabalhos espirituais” no local das próprias
igrejas daimistas.
31
Fora do Acre, o kambo tem a sua divulgação garantida através de adeptos das religiões
ayahuasqueiras, de neo-ayahuasqueiros, e de uma série de personagens ligados ao movimento
nova era, como terapeutas holísticos e neo-xamãs. Parece haver um crescimento de terapeutas
new age que se dedicam à aplicação do kampo. Parte significativa dos clientes urbanos da
secreção do sapo-verde participa direta ou indiretamente destas redes. O público mais amplo,
que não faz uso pessoal da secreção, tem a tendência a compreendê-la a partir da “grade
mental” dos “alucinógenos de origem indígena” e das “terapias alternativas”. É o que se verifica,
por exemplo, nesta passagem de Ventura (2003, p. 185-186):
Uma das minhas frustrações na primeira viagem ao Acre foi não ter sentido qualquer reação ao experimentar o chá
do Santo Daime. [...] Por isso, fiquei tentado quando agora ele mesmo procurou me convencer a realizar outra
experiência fitoterápica a que acabara de se submeter. Dessa vez trata-se da ‘vacina do sapo’ ou ‘kambô’. [...] Tomar
a vacina do sapo com fins medicinais não é uma novidade para os povos indígenas, que usam a terapia também para
afastar a ‘panema’. [...] Me imaginei descendo no Rio e anunciando para os meus amigos verdes: ‘[...] o Santo Daime
não está com nada; o quente agora é a vacina do sapo-verde, é o kambô, gente, pode crer’.
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 329 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info330
Drogas e cultura: novas perspectivas
A demanda urbana pela “vacina” ou “injeção do sapo”, como também é conhecida a
secreção, sobretudo aquela vinda dos grandes centros, aproximou o kampo do xamanismo.
Uma tentativa feita por Sônia de Menezes, em 2003, de levar um velho rezador
32
katukina para
São Paulo, para aplicar kampo em clientes de uma clínica de terapias alternativas, fracassou,
mas dá uma idéia das transformações que o uso do kampo por não-índios está promovendo
(Lima, 2005). Em março de 2005, Ni’i, filho do rezador katukina citado, apresentou, em
companhia de Sônia Menezes, uma palestra sobre o kampo no I Encontro Brasileiro de
Xamanismo, mencionado acima. Na seqüência, como já dissemos, sempre acompanhado de
Sônia Menezes, proferiu palestras semelhantes em pelo menos quatro clínicas de terapias
alternativas na capital paulistana e também nas capitais mineira e carioca. Após as palestras
eram feitas aplicações nos interessados em conhecer o kampo. Dois anos após sua primeira
tentativa, em novembro de 2005, Sônia Menezes aumentou a comitiva katukina que visita as
capitais mencionadas acima, conseguindo desta vez incluir um rezador.
No material de divulgação das aplicações de kampo consta que a secreção do sapo-verde
atua “sobre a percepção em geral, a intuição, os sonhos, a terceira visão, o inconsciente e os
bloqueios que impedem o fluxo de energia vital”. O vocabulário usado sugere claramente que
o kampo passa por um processo de “xamanização” no meio urbano. Uma tal orientação não é,
contudo, homogênea, pois no mesmo material pode-se perceber um esforço de aproximação
do kampo com a medicina ocidental. Assim, além de listar mais de 30 enfermidades nas quais
poderia ser eficaz – como imunidade baixa, dor de cabeça, gastrite, diabetes, pressão arterial,
cirrose, labirintite, epilepsia, impotência e depressão, entre outras – , no folder consta uma
seção com o título “Estudo Científico”, onde se afirma que “os médicos que já tomaram e
pesquisaram o kambô afirmam que ele pode ser eficaz no tratamento de doenças graves [...],
pois ele age como um grande reforçador do sistema imunológico”. Tamanha ênfase nas supostas
propriedades curativas do kampo torna claro o processo de “terapeutização” atualmente em
curso.
É possível perceber a tentativa de aproximação com a ciência ocidental também na capa
do mesmo folder, no qual consta o nome científico da rã e não seu nome indígena (que se
encontra como kambô nas partes internas). No I Encontro Brasileiro de Xamanismo, Sônia de
Menezes chegou a indicar a posologia do “tratamento”. Segundo ela, “o tratamento básico são
três doses, se a pessoa não tem nada crônico. Agora, se ela quer entrar num estudo do ser dela,
aprofundar o processo dela, ela pode tomar seis doses”.
É importante notar que a “terapeutização”, no contexto do uso urbano do kampo, pode
ter um duplo sentido: ora inclinando-se mais para uma interpretação new age da cura, ora
para uma interpretação mais cientificista. É preciso ter em conta, contudo, que ambas as
possibilidades não são mutuamente excludentes; as duas interpretações com freqüência se
confundem.
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 330 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info331
A expansão urbana do kampo (Phyllomedusa bicolor): notas etnográficas
Neste sentido, parece-nos possível falar que a “terapeutização” é parte, ao mesmo
tempo, de um processo de “xamanização”, entendido como um processo de “esoterização”
dos conhecimentos indígenas, como se estes fossem direcionados exclusivamente à cura e
construídos a partir da existência de especialistas – como ficará mais claro adiante. Diferente,
portanto, do sentido amplo do xamanismo, entendido como um conjunto de técnicas e
conhecimentos, não necessariamente especializados, para lidar com o entorno sóciocosmológico (Langdon, 1996).
Há claramente uma tendência urbana a conceber o kampo como um “tratamento” e
existem recomendações sobre o número e o intervalo das aplicações: em geral se fala de três
aplicações com intervalos variados. Na comunidade daimista Céu da Mantiqueira, em
Camanducaia (MG), é recomendado, pelos aplicadores de Cruzeiro do Sul (AC) que visitam o
local, que o kampo seja aplicado uma vez por mês durante três meses consecutivos (Rose,
2005, p. 99). Na literatura que trata do uso indígena do kampo quase nada há sobre isso.
Apenas entre os Yawanawá consta que, para o tratamento de malária, o kampo seria aplicado
por quatro dias, decrescendo o número de “pontos” (10-8-6-4), segundo Pérez Gil(1999, p.
94), ou três aplicações, sem definição do número de “pontos”, em dias alternados, segundo
informações obtidas por Aquino (2005).
33
De volta às aldeias, uma das primeiras repercussões que a fama do kampo entre os não-
índios acabou promovendo foi justamente em torno da existência de especialistas katukina na
aplicação da secreção. Inicialmente alguns jovens foram requisitados para fazerem aplicações
em não-índios que os visitavam nas aldeias da TI do rio Campinas ou na cidade de Cruzeiro do
Sul, da qual é bastante próxima, e mesmo em lugares mais distantes, como em São Paulo. A
concepção katukina de que a secreção do kampo veicula as qualidades morais daquele que o
aplica, não é difícil imaginar, escapou completamente aos usuários não-índios e facilitou a
difusão da aplicação. Afinal, qualquer katukina, independentemente de seus atributos morais,
tornou-se então habilitado a aplicá-lo, pois passou a ser requisitado para tanto.
Nas diversas palestras que proferiu em clínicas de terapias alternativas de São Paulo em
abril deste ano, Ni’i apresentou o kampo como sendo o resultado de conhecimentos secretos,
iniciáticos. Mesmo quando indagado se o kampo não seria aplicado por caçadores, Ni’i respondeu
que “hoje em dia os pajés estão ensinando as pessoas”, dando a entender que outrora (sem
especificar quando) o kampo era manipulado com exclusividade pelos pajés.
34
Tais especialistas,
preocupados com a preservação desses conhecimentos, teriam resolvido partilhá-lo com as
demais pessoas, da mesma forma que ele, que se apresenta como um aspirante a pajé, estaria
divulgando o kampo na capital paulistana. Em suas palavras:
Na cidade tem muita gente que precisa de ajuda, doente, com muitos problemas, depressão... Então nós estamos
divulgando nossos conhecimentos. Nós conhecemos este remédio há muito tempo, mas agora o homem branco
se interessou por ele. Não dá mais para segurar, não tem jeito. É a gente que sabe usar direito (Labate, 2005b).
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 331 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info332
Drogas e cultura: novas perspectivas
No contexto urbano – seja entre meros espectadores das palestras, os corajosos que se
aventuram na aplicação, ou os médicos e terapeutas que têm se dedicado à manipulação da
substância – a idéia de que o “xamã” é o “responsável pelo kampo” e de que estes
“conhecimentos” têm uma “natureza reservada” aparece como “óbvia”. Seja como for, a
apresentação de Ni’i como um aspirante a pajé é sujeita a controvérsias entre os moradores das
aldeias katukina. Em campo, em julho de 2005, ninguém o reconheceu dessa maneira. Um
jovem rapaz afirmou: “Ele é pajé em São Paulo, por aqui ele é qualquer um [...] Ele nunca viu
a cobra grande para poder ser pajé”. Independente da dubiedade de seu estatuto, o fato é que
através do kampo, o katukina alçado à condição de “xamã” permitia revelar a persistência de
um argumento antropológico: o xamã é aquele que tem um papel fundamental na promoção
das relações interétnicas (Carneiro da Cunha, 1998). A definição dos xamãs como “mediadores”
tem também um sentido político que apenas recentemente começou a ser explorado (Conklin,
2002; Pérez Gil, 2004).
35
Curiosamente, em uma das palestras, os Katukina foram apresentados por sua principal
parceira na utilização do kampo no meio urbano como sendo um povo caçador-coletor. Quem
conhece as variedades de macaxeira, inhame, batata-doce e banana que os Katukina cultivam
em seus roçados certamente estranha tal apresentação. Seja como for, ela não deve ser
despropositada.
O kampo, como há tanto tempo destacou o missionário francês, é primeiramente um
estimulante cinegético. Se o kampo é proveniente de um grupo caçador-coletor, essa
caracterização não deveria parecer inadequada. Talvez a parceria urbana dos Katukina imagine
que um grupo que supostamente sustenta seu dia-a-dia em bases instáveis deve ter meios de
satisfazê-las com alguma segurança. O kampo deve servir justamente para garantir alguma
sustentabilidade! Não é novo o artigo de Sahlins (2004, [1972]) em que ele aponta e contesta
a má fama dos grupos caçadores-coletores. Se nossa interpretação estiver correta, como os
“mais primitivos” entre os “primitivos”, os caçadores-coletores devem ter saberes ainda mais
“milenares” (e/ou “primitivos”) que devem interessar a uma determinada clientela.
Continuando a palestra, alguém na platéia indagou sobre o que seria a panema. Ni’i não
vacilou nem surpreendeu. Sua resposta foi de que a panema é, como todos sabemos, uma
condição de má sorte. Em suas palavras, a panema ocorre “quando não tem sorte para matar
caça, não tem coragem, não tem ânimo pra arranjar namorada...”. E conclui “tudo isso é
panema”, para ser interrompido na seqüência com uma nova elaboração do mesmo conceito.
Nas palavras de Sônia Menezes, a panema ocorre quando “não se tem firmeza nas atitudes.
[...] Para o índio é matar caça, para nós é o desemprego [...]”. Não foram poucas as vezes em
que Ni’i foi indagado sobre o que vem a ser a “panema” e sempre repetiu a mesma resposta.
Em outra ocasião, no I Encontro Brasileiro de Xamanismo, a terapeuta ensaiou uma nova
definição de panema:
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 332 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info333
A expansão urbana do kampo (Phyllomedusa bicolor): notas etnográficas
A gente traduz as dificuldades que tem na floresta com as dificuldades que tem na cidade. O índio toma [kampo]
para caçar, a gente tem o caso de gente que tomou e arrumou um emprego, um companheiro... porque o kambô
atua no coração, faz um movimento certo no coração, e faz as coisas fluírem, é como se antes tivesse uma nuvem
sobre ela [...] a gente vê a luz verde do kambô e ele traz para ela o que está no caminho dela... Combate a tristeza,
falta de sorte, a irritação, quando nada dá certo, nada está bom na nossa vida.
Por fim, ela conclui dizendo que panema seria "depressão de índio". Certamente ampliado,
o campo semântico de panema ainda reporta a alguma incapacidade: lá, de não arrumar caça e
namorada, aqui de não arrumar namorada e emprego. Há uma condição neo-panema que
permite e justifica a expansão do kampo para além das aldeias.
Aplicados nesse trabalho de “tradução cultural”, Ni’i e Sônia Menezes têm conseguido,
com relativo sucesso, converter o conceito indígena de “panema” numa idéia familiar (ou que
faça sentido) para os cidadãos da metrópole, encontrando – tal qual os xamãs (Carneiro da
Cunha, 1998) –, ecos da linguagem katukina na urbana. No mesmo sentido, podemos pensar
que o idioma de “xamanização” adotado pela dupla é resultado de uma tentativa de se
comunicar com o público urbano a partir de categorias que lhe são próprias. Mas, para além
da eventual satisfação dos clientes urbanos e da expansão do uso do kampo, as repercussões
que esses novos usos e concepções têm entre os Katukina que permanecem em suas aldeias
merecem atenção. A expansão urbana do kampo tem gerado, internamente, atritos que vão
desde a repartição dos recursos oriundos das aplicações fora da aldeia até à apresentação de
Ni’i como um pajé. A elevação do último ao posto de xamã, ao menos entre alguns brancos,
gerou, entre velhos rezadores (shoitiya) a expectativa de igual reconhecimento – e também
uma certa frustração por não serem requisitados para auxiliar os brancos. Em campo, em
julho de 2005, um velho rezador falou de sua estreita amizade com um morador de Cruzeiro
do Sul, que o levaria para fazer atendimentos em brancos em diferentes cidades brasileiras,
indicando com clareza o que se espera da fama do kampo.
36
Este mesmo rezador, alguns
meses mais tarde, em novembro do mesmo ano, fez parte da comitiva katukina organizada
por Sônia Menezes para aplicar kampo e conduzir sessões de ayahuasca em Belo Horizonte e
São Paulo. Enquanto isso, à procura de bons xamãs (romeya), vários Katukina continuam
buscando atendimento entre os Marubo, em suas aldeias no rio Ituí.
37
Voltando ao ambiente urbano, nos primeiros meses de 2005, em Brasília, um filho de
seringueiro, morador de Cruzeiro do Sul, fez questão de destacar em conversas com um
pesquisador interessado em “experimentar” a substância, a estreita convivência que teria
usufruído com os Katukina, até os nove anos de idade, entre os quais teria adquirido seus
conhecimentos sobre o kampo. Após permanecer alguns dias em Brasília, ele seguiria viagem
para São Paulo, Rio de Janeiro e Paraíba, sempre aplicando kampo. Chama a atenção que o
vocabulário katukina é manejado de modo correto, mas bastante simplificado, por algumas
das pessoas envolvidas na expansão urbana do kampo – talvez para destacar o domínio da
“cultura da tribo katukina”, aquela que teria originado todos os conhecimentos sobre o sapoDrogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 333 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info334
Drogas e cultura: novas perspectivas
verde. A panema foi apresentada pelo seringueiro citado como uma “má energia”, um “tipo de
mau olhado”, e o kampo como algo que “libera a energia ruim e repõe com energia boa”.
Essa fusão de concepções indígenas com concepções neo-xamânicas aparece também
no folder de que falamos antes. Na coluna intitulada “Kambô é medicina indígena” (localizada
ao lado da coluna “Estudo Científico”), pode-se ler que os Katukina tomam kampo “para
eliminar as várias manifestações da panema: perda de ânimo, vontade fraca para caçar, para
namorar, má sorte, inveja, fraqueza e falta de harmonia com a natureza”.
Não nos parece, de fato, ser preciso escrever mais sobre quão etnocêntrica é a idéia de
que os índios são harmoniosamente integrados à natureza. Mesmo porque, nos últimos anos,
ganhou força uma outra concepção, herdeira da anterior, de que os índios são sábios detentores
de conhecimentos sequer arranhados pela ciência ocidental. No caso do kampo, esse discurso
ganha cada vez mais força, sobretudo devido à publicização dos estudos dedicados às
propriedades bioquímicas de sua secreção e também devido à campanha
38
contra as patentes
já estabelecidas (antes da Convenção da Biodiversidade Biológica, de 1992) a partir dos estudos
da secreção da rã. Os estudos e as patentes só viriam a confirmar o que os índios já sabiam há
muito tempo: o kampo é um “remédio poderoso”. Assim, em 2001, em uma das primeiras
matérias publicadas sobre o kampo, consta a seguinte afirmação: “O que os índios já sabiam
há talvez milhares de anos, os cientistas vêm comprovando com a ajuda de sofisticados
equipamentos”.
Se todo um simbolismo sobre a integração harmônica dos índios com a natureza permeia
o interesse urbano pelo kampo, ao mesmo tempo, porém, a “natureza” deve ser pródiga.
Segundo um médico que aplica o kampo em grandes centros urbanos (e que aceitou ser
entrevistado com a condição de que não fosse identificado), “a floresta do Juruá é mais ‘pura’”
e, por isso, nela o kampo “tem o princípio ativo mais forte”. A natureza – e os índios por
extensão – é ambígua: lugar de força, mas também de selvageria. Não é à toa que o mesmo
médico faz um uso completamente próprio do kampo, aplicando-o em várias partes do corpo
em pontos dos meridianos,
39
sempre em doses pequenas (de um a três pontos no máximo),
e como terapia complementar a outras técnicas, como a fitoterapia, a acupuntura e a medicina
ortomolecular.
Vale destacar que embora por caminhos divergentes, os usuários urbanos da secreção do
kampo talvez estejam orientados por princípios convergentes àqueles dos Katukina. A despeito
das diferenças entre a “depressão dos índios” e a “panema dos brancos”, entre a “preguiça” e
o “princípio ativo”, há continuidades, afetos, trocas e traduções que permitem que a
comunicação entre os sistemas seja possível.
Entre outras coisas, uma leitura possível sugere que no intercâmbio com os brancos o
kampo foi aproximado do xamanismo através do aplicador – o que torna os fatos não muito
distantes do que se passa nas aldeias. Assim, se nas aldeias, para ter sucesso na caça ou para
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 334 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info335
A expansão urbana do kampo (Phyllomedusa bicolor): notas etnográficas
espantar a preguiça, deve-se receber aplicações de kampo de caçadores experientes e “felizes”
(como se diz em português regional dos caçadores bem-sucedidos) ou de mulheres virtuosas;
nas cidades, aqueles que buscam o kampo para “equilibrar-se” e “harmonizar-se” devem
receber aplicações daqueles que julgam serem promotores de tais possibilidades, porque se
imagina que conseguem experimentá-las, ou seja, dos índios. De súbito, a expansão urbana do
kampo repete e renova a concepção de que os índios são “filhos da natureza”, pessoas
socialmente marginalizadas, mas possuidoras de saberes ancestrais e mágicos, os quais, até
agora, teríamos nos privado de conhecer. Nesse sentido, não deve passar desapercebido que
vários aplicadores de kampo têm se apresentado em grandes centros urbanos como índios
(quase sempre Katukina) ou, genericamente, como “descendentes de índios”.
Em todo caso, há muitas variações. Nem todos os cidadãos cosmopolitas deixam-se levar
facilmente pelos velhos estereótipos sobre o “índio”; há muitas pessoas que buscam o bemestar que se propagandeia que o kampo promove sem se perguntar exatamente sobre a
origem indígena do aplicador ou, se reconhecem esta origem, preferem buscar aplicadores
que se aproximem mais de suas referências urbanas, como médicos e terapeutas new age.
Considerações finais
É interessante observar como o kampo cumpre um caminho longo, de mão-dupla:
originalmente usado entre populações indígenas, é absorvido por populações seringueiras e,
finalmente, alcança grandes centros urbanos, particularmente as camadas médias de tais
centros, difundindo-se entre ayahuasqueiros, terapeutas e neo-xamãs urbanos. O sucesso
urbano do kampo, por sua vez, fez com que outros grupos indígenas acreanos voltassem, após
muitas décadas, a usar o kampo. Foi o que se passou, por exemplo, com os Poyanawa e
Nuquini, conforme nos informou uma liderança desse último grupo em janeiro deste ano
(Lima, 2005). Como se experimentassem um “efeito ricochete”, tais grupos estão promovendo
a “recuperação” do uso do kampo. Como se não bastasse, soubemos que o filho de um
seringueiro tem divulgado o kampo não só no sul e sudeste, mas também no nordeste brasileiro;
em particular, soubemos de aplicações que teriam ocorrido entre os Fulniô. Há mais tempo,
Francisco Gomes fez aplicações entre os Bakairi, no Mato Grosso (Lopes, 2001). Na matéria
publicada na revista Outras Palavras consta ainda que índios localizados em Roraima, sem
qualquer indicação de seus nomes, também experimentaram o kampo das mãos de Francisco
Gomes.
Se kampo é “coisa de índio” ou da “cultura dos índios”, como boa parte dos índios do
Acre insiste agora em afirmar, é inevitável dizer que o entendimento do que vem a ser “cultura
dos índios” alcançou uma fronteira muito maior do que se poderia inicialmente imaginar.
Elevado à condição de um símbolo étnico, o kampo tem permitido aos Katukina construírem
seus “afastamentos diferenciais”, que acabaram construindo novas “aproximações”.
Drogas e Cultura - miolo (MinC).pmd 335 12/9/2008, 16:31
______________________________________________________________ www.neip.info336
Drogas e cultura: novas perspectivas
De todo modo, resta ainda muito a ser compreendido. Não temos a pretensão de sermos
exaustivas, o pouco tempo do início de nossa pesquisa (e da parceria) desautorizar-nos-ia
conclusões mais avançadas. Assim, gostaríamos de encerrar com algumas questões que
certamente deverão orientar nossos próximos passos. Em que medida o contato dos katukina
com sua clientela urbana, em particular os adeptos das religiões ayahuasqueiras, têm influenciado
suas formas de uso e de manejo do kampo e da ayahuasca nas aldeias? Quais são as repercussões
que a “xamanização” e “terapeutização” do kampo no meio urbano produzem no interior das
aldeias katukina? Como os Katukina que estão se firmando como aplicadores de kampo em
grandes centros urbanos relacionam-se com os aplicadores de kampo reconhecidos pelo grupo?
Os grupos indígenas que agora reiniciam o uso do kampo, como os Nuquini e Poyanawa, fazemno a partir de influências de grupos indígenas vizinhos que mantiveram o uso da secreção ao
longo dos anos – como os Katukina, Yawanawá, Kaxinawá, para não falar dos Marubo e Matsés,
no estado do Amazonas –, a partir do uso que fazem os seringueiros no Alto Juruá ou a partir do
uso que vêm fazendo os adeptos das religiões ayahuasqueiras? Ou, alternativa que não deve ser
excluída, os Poyanawa e os Nuquini estão retomando o uso do kampo de um modo próprio e
diferenciado em relação aos anteriores? De que forma o papel que os Katukina desempenharam
para que o MMA se mobilizasse para organizar o projeto de pesquisa que será dedicado ao sapoverde afeta as relações interétnicas regionalmente? Como as concepções daimistas e udevistas
influenciam a apreensão que os novos usuários urbanos do kampo fazem da sua experiência com
a secreção do sapo? Como podem ser compreendidos os efeitos do kampo, como desmaios,
sensações corporais, visões, sonhos, entre índios e não-índios?
São muitas as perguntas. Certamente o sucesso do kampo nos últimos cinco anos nos
autoriza ainda a fazermos muitas outras.
Pós-escrito
Após a conclusão deste artigo, em abril de 2008, a imprensa relatou que um empresário
teria morrido em Pindamonhangaba (SP) logo após fazer uso do kampo, que teria recebido
das mãos de um “terapeuta” urbano, também ele empresário. O fato foi bastante noticiado e
certamente gerará importantes repercussões na difusão desta prática, as quais permanecem
por serem estudadas.

Informação do Artigos & Livros

Categoria
Artigos & Livros
Added by
bolo
Visualizações
312
Última atualização

Mais em Artigos & Livros

Mais do(a) bolo

Share this Artigos & Livros

Back
Top