Teonanacatl.org

Aqui discutimos micologia amadora e enteogenia.

Cadastre-se para virar um membro da comunidade! Após seu cadastro, você poderá participar deste site adicionando seus próprios tópicos e postagens.

  • Por favor, leia com atenção as Regras e o Termo de Responsabilidade do Fórum. Ambos lhe ajudarão a entender o que esperamos em termos de conduta no Fórum e também o posicionamento legal do mesmo.

Psilocybe Zapotecorum

Origem: México
Dificuldade: Difícil
Tamanho: Pequeno-Médio
Taxa de Crescimento: Média
Temperatura de Colonização/Frutificação: 28-30°C / 23-26°C
Substrato(s):
  • Esterco
  • Grãos
  • Palhas
  • Solos Enriquecidos

Características:

Também conhecido como "Mbey San" e "Piule de Barda"

Um cogumelo muito raro usado pelos índios Chatinos e Zapotecas.

Psilocybe zapotecorum foi uma das sete variedades de "cogumelos mágicos" encontradas por Wasson no México em 1955.

"Redescoberto" e nomeado pelo micologista francês Roger Heim, este cogumelo é um dos favoritos dos xamãs, tipicamente com até .85% de psilocibina e até .25% de psilocina. Seu habitat preferido é em solos lamacentos e áreas pantanosas. Também encontrado em solos ricos e escuros de florestas decíduas, onde pode ser frutificar durante todo o verão em grupos ou em aglomerados.

Encontrado em grande parte das regiões subtropicais do México, América Central e América do Sul, esta espécie nobre foi nomeado para homenagear os arquitetos zapotecas - gênios, astrônomos, e mais conhecidos por construir as pirâmides em Monte Alban, Oaxaca, México. A interpretação do nome zapoteca para esta espécie é "Cogumelo Coroa de Espinhos " - aqueles que se tingem de azul.

Chapéu: 2-13 cm, cônico a convexo, muito raramente expandindo para plano com a idade. Margem ondulada às vezes com uma papila aguda ou mamilo, geralmente umbonado ou com um centro deprimido. Nos espécimes jovens a margem tem borda recortada em curvas, que às vezes ondula para cima enquanto o cogumelo amadurece. A tampa é marrom amarelado a marrom, desvanecendo-se a creme-amarelo, depois marrom e finalmente preta, com a idade. O tecido é branco, mas logo muda para um azul ciano, e rapidamente para preto.

Lamelas: Cor creme quando jovem, marrom violeta na idade, com um anexo que é sinuoso ou adnexo, às vezes subdecorrente.

Esporos: violetas escuro, oblongos, elipsóides ou subrombóides, de paredes finas, 7 x 4 um.

Estirpe: Centralizada, sinuosa, cilíndrica ou ligeiramente achatada, oca, com 3 a 26 cm de comprimento, 0,5 a 1 cm de espessura. Branca a cinzenta, tornando-se amarelada, azul e preta com a idade. O caule inteiro é coberto com muitas escalas brancas, mais pronunciadas na parte inferior do tronco. O véu parcial é branco e aracnóide, desaparecendo com a idade. Muitas vezes um pseudoriza longa pode ser encontrado anexa à base do caule. Fortemente azulamento, seguida por escurecimento, quando danificada.

Sabor: farináceo e muito ligeiramente como rabanete ou especiarias.

Odor: Farináceo. E ligeiramente doce.

Cresce solitário ou gregariamente em grupos, às vezes em agrupamento de quase cem cogumelos, crescendo diretamente de solos ricos em matéria orgânica. Encontrados perto de rios e ravinas, crescendo às vezes diretamente das paredes musgosas de ravinas íngremes. Encontrado em lugares úmidos e sombreados em florestas mesofíticas, florestas de carvalhos e pinheiros, ou florestas úmidas com neblina ou névoa.

Muitas vezes encontrado em florestas subtropicais contendo Alnus sp., Magnolia sp., Fraxinus sp., Quercus sp., pinheiros grandes e arbustos de amora.

Conhecido por ocorrer na Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru.

Imagens originais de Alan Rockefeller

Links & Referencias:
Sobre o autor
Crânio
Eu sou o bot do Teo. Sou um usuário criado pela equipe do Teonanacatl.org para postagem de informações conforme necessário.

Informação do Raça

Autor
TeoBot
Article read time
2 min read
Visualizações
1,731
Comentários
2
Última atualização

Mais em Raros e Exóticos

Mais do(a) TeoBot

Share this raça

Back
Top