• Aqui contém tópicos de discussões automaticamente criados para os artigos que são enviados a nossa biblioteca. Para exibir o artigo, clique na aba "overview" dentro de cada tópico. Se você prefere navegar pelos artigos e não pelas suas discussões, acesse a biblioteca aqui. Ou clicando na aba "Biblioteca" em nosso menu principal.

Cultivo de Shiitake

alfasa

Cogumelo maduro
Membro Novo
Olá
Existe algum problema em usar vermiculita no lugar da serragem para o caso dos cogumelos comestíveis?
Vermiculita é inerte para os cogumelos. Só serve de ancoragem. Cogumelos não digerem vermiculita.
E além de que se fôr para produção comercial, teria que comprar toneladas e mais toneladas desse material, que no fim sai muito caro.
E se usar vermiculita, teria que acrescentar farinha de amidos(de cereais) para compençar falta de celulose.
Se tiver de usar toneladas disso, também sairia uma produção nada compensadora em ponto vista financeiro.

Se vc quer produzir meia dúzia de bolos como "hobby" ou para treinamento, acho que não teria problemas.

À final, serragens e cascas de trigo, cascas de arroz, bagaço de cana, etc... são gratuítas. Apenas seria o custo do transporte, até sua fazenda ou sítio.
 

sectorx

Primórdia
Membro Novo
oi, não consigo ver as imagens, será problema do meu pc, ou será probl do forum? no caso de ser probl do forum poderiam postar de novo as imagens?
Obrigado
 
E

ElDorado

Visitante
No Brasil já há um produtor de konugui, que é o carvalho japonês, tradicional na técnica milenar japonesa nesse tipo de cultivo. Dizem que o shiitake fica com melhor sabor com essa madeira, mas sinceramente não senti diferenças, a não ser na colheita, que é mais robusta mesmo.

Minha dúvida é: no caso da serragem, é melhor a de madeiras duras como imbuia ou de madeiras moles?
 

User03

Cogumelo maduro
Membro Ativo
Acho que para cultivar os comestíveis é necessário um grande investimento...

É meio brabo também, pois geralmente são cogumelos "Woodlovers"!
 
E

ElDorado

Visitante
Nem sempre! O shimeji e o A. bisporus/bitorquis se faz em composto sem madeira alguma.
E mesmo os xilófagos preferem algumas madeiras a outras.

Você só faz o investimento se quiser comercializar. No caso de ser um amante dos cogumelos, uma pilha de toras é pura diversão, do começo ao fim!!!!

Em Sampa recomendo a AAO pra quem quiser fazer cursos de cogumelos comestíveis e de shitake em toras. São professores muito bons e cursos de um dia, apenas. No curso ainda são sorteados inóculos em grãos e toras que os alunos inoculam!

Pra quem tem pretensões de viver disso, é uma porta de entrada.

O melhor mesmo no Brasil está na EMBRAPA, em Brasília. Pelo que lembro tem até processo de seleção dos alunos, mas pra mim não dá, por enquanto.
 

User03

Cogumelo maduro
Membro Ativo
Com certeza.

Mas, para comer em casa, eu acho que é melhor procurar na natureza, lembrando sempre de respeitar os limites de colheita para assegurar a sobrevivência da espécie.

Aqui no RS, especialmente na nossa chácara, tem uma espécie com bordas alaranjadas, que chamamos de fonghi. O nome é bem mesquinho, mas o sabor não.
 

dandan

Primórdia
Membro Novo
Olá, sou produtora de shiitake (Vale do Paraíba), iniciante, e estou com problemas nas minha produção., a agora q li esse artigo o meu problema se agravou. No artigo diz que a produção é de 200 a 400g / tora, eu estou produzindo 20 a 50g/tora....
Minha produção é em glapão, e tento controlar temperatura com irrigação por aspersores (nebulização) e tbm aumentar a umidade rel do ar. Mas algo não está em condição, pois a produção está mto ruim.
Outra coisa, no galpão de incubação tem um setor ( com condição = aos demais) que as toras estão muito contaninadas - um fungo branco e grande, que parce um chiclete. Será excesso ou falta de água???
Alguém pode me ajudar??
 
E

ElDorado

Visitante
Olá, moça!

A produção está baixíssima mesmo.

Imagino que ninguém aqui se arriscará a dar uma consultoria formal, então ao final sugiro um especialista.

Fotos de tudo seriam um facilitador, mas nem sei como funciona o limite de postagem disso e se o fórum aqui teria interesse em prosseguir com esse bate-papo contigo. Afinal, o grande foco aqui são os cogumelos mágicos.

Da minha parte, eu arriscaria dizer, como o nosso amigo RainSpirit pode também ter pensado aí em cima, que o problema possa ser uma contaminação do eucalipto que você está usando.

Uma forma de resolver isso é obter substrato de outro fornecedor, fazer umas toras ao mesmo tempo em que inocular as do atual fornecedor e colocá-las em pilhas separadas, mas no mesmo ambiente de incubação.

Há testes similares para tentar detectar a real circunstância disso tudo, como levar toras para outro local, verificar a evolução de toras não inoculadas e nem manipuladas. Enfim, muito pode ser feito.

Outra coisa: essa água que você está aspergindo fica armazenada onde? Ela cai do teto ou sobe do chão e a que distância das pilhas de toras?? Qual o pH dela e demais condições??? Ela precisa seguir alguns padrões para não machucar as cascas das toras. Se machucar, as contaminações são favorecidas.

Talvez o próprio galpão tenha alguma fonte de sujeiras que possam estar contaminando ou mesmo algum inseto que você não detectou ou houve a manipulação das toras durante a incubação sem o devido zelo.

Aliás, esse "fungo chiclete" aparece quando? Durante a incubação ou após o banho de choque das toras?

Como é feita a inoculação? Você sela os pontos adequadamente ou pode estar passando algum sem selar?

Quanto ao especialista, achei melhor lhe enviar os dados dele em mensagem privada (basta olhar o menu do teu perfil, em cima da tela, à direita). Assim não fica parecendo propaganda. Nem sei quanto o cara cobra.

O nome dele é Edison de Souza e ele tem parceria com a EMBRAPA, apesar de não ser funcionário deles.

Abraços cósmicos e que o prejuízo seja recuperado rapidamente!
 

MtzMachado

Primórdia
Membro Novo
Interessei-me pelo cultivo caseiro do dito cujo. Parece ser uma jornada prazerosa. Então não consigo "sementes" pelas rings? Que tipo de laboratório vende as "sementes"? Se souberem no RS, melhor.
 

Cosmik

Fractal Ambulante
Membro Ativo
Superior