Teonanacatl

Aqui discutimos micologia amadora e enteogenia.

Cadastre-se para virar um membro da comunidade! Após seu cadastro, você poderá participar deste site adicionando seus próprios tópicos e postagens.

Programe sua experiência, esteja preparado(a)

tupy

★ vento sul ☆
Membro da Staff
Cultivador Confiável
Cadastrado
29/05/2006
Mensagens
4,063
Reputação
64
Pontos de reações
9,976
Pontos
94
Procure programar suas experiências com enteógenos, de modo a evitar maiores complicações, estar melhor preparado e entender melhor as experiências.

Baseado nos textos de:
The Relation of Expectation and Mood to Psilocybin Reactions:.
A Questionnaire Study - Psychedelic Review, No. 5, 1965

Programmed Communication During Experience with DMT, Timothy Leary
Psychedelic Review, No. 8, 1966

On Programming Psychedelic Experiences, Ralph Metzner & Timothy Leary
Psychedelic Review, No. 9, 1967 (complete pdf)

The Psychedelic Experience: A Manual Based on the Tibetan Book of the Dead (Citadel Underground) by Timothy Leary (Oct 1, 2000)
(portugues)



Uma experiência psicodélica é um período de intensas reações de estímulos sensoriais seja de dentro ou de fora. Já um experiência psicodélica “programada” é uma em que a seqüência de estímulos é mais padronizada, não deixada tanto a sorte, sendo arranjada de uma maneira a lhe dar mais segurança, lhe permitindo ir a lugares mais desejáveis.
Usando um programa, tentamos controlar a experiência psicodélica a determinadas direções.
Um programa é como se fosse um panfleto de viagem, posso pegá-lo no aeroporto e visualizar por onde devo começar, qual o melhor caminho a se tomar, uma série de sinais e símbolos que irão me ajudar. Um bom exemplo, seria um piloto de avião, novato, em suas primeiras aulas de vôo, necessita em muita das comunicações da torre de comando por rádio, que irão prover a ele orientações durante a “viagem”, ajudando assim a voar em território desconhecido e por entre tempo fechado.



A idéia de programar uma experiência psicodélica é baseada na teoria sobre a natureza dos efeitos psicodélicos. A hipótese, que foi primeiramente formulada por Thimoty Leary na Universidade de Harvard (EUA) - Projeto Psilocibina (Psilocybin Project), e foi amplamente aceita por cientistas e pesquisadores da área, é que o conteúdo da experiência psicodélica é primeiramente determinado por dois fatores chave: set e setting.Set”, se refere ao estado interno da pessoa tendo a experiência, seu humor, expectativas, medos, desejos; Setting, se refere as condições externas da experiência, o estado físico das coisas ao seu redor, os objetos que o cercam, o espaço, as suas relações com as pessoas que no momento estão a sua volta e, principalmente, da pessoa que está lhe entregando a oportunidade da experiência, essa também é tido como um elemento do setting.

Já é bem entendido que os psicodélicos, agora já melhor compreendidos e chamados de enteógenos, podem produzir fortes experiências religiosas, visionárias, terapêuticas ou de vários outros tipos, dependendo do set e setting.

É uma observação simples a de que as experiências com maior sucesso as mais educacionais e libertadoras são aquelas precedidas por um período de desligamento do mundo externo, dos jogos e compromissos cotidianos. O tempo que precede a ingestão de substâncias alteradoras de consciência é crucial do ponto de vista de preparação interna. O conteúdo da sua conscîência nesse tempo irá dominar a sua posterior experiência.

Aquele que se sente deprimido, ansioso ou irritado, irá levar essas sensações negativas à experiência, se farão fazer sentir com grande intensidade. Se o indivíduo se sente sereno, tranquilo, confiante e desgarrado de todos os problemas do cotidiano, a experiência tende a ser livre e iluminada.


A importância de preparar a mente e o corpo para a experiência dificilmente pode ser superestimado. Fisiologicamente, a parte mais importante da sessão com os enteógenos é quando se faz sentir os primeiros efeitos químicos no corpo. O experimentador não está preparado para esse momento de "decolagem", muita da sua firmeza no restante da experiência vai depender de como você lida com esse momento, de como você se livra das suas impressões do cotidiano, das suas impressões, e querer explicar e compreender tudo o que acontece com o seu corpo. Os batimentos cardíacos, a sudorese, o formigamento das mãoes e pernas, a agitação e por ai adiante. Estar preparado para essas mudanças, estar consciente e de mente serena irá lhe proporcionar tudo o de melhor que a experiência tem a oferecer, a lidar com essas poderosas energias que estão para vir.


Existem classes de homens que, tendo carregado conflitos cármicos a respeito de inibições de sentimentos, mostram-se incapazes de manter a experiência pura além de quaisquer sentimentos, e escorregam para visões de caráter emocional. A energia indiferenciada é tecida em jogos visionários na forma de sentimentos intensos. Pulsantes, estranhas e intensas sensações de amor e unidade serão sentidas; o equivalente negativo são sentimentos de afeição, cobiça, isolamento e preocupações com o corpo.


Eis uma lista das sensações físicas comumente relatadas: 1. Pressão corporal, que os tibetanos chamam de terra-se-desfazendo-em-água; 2. Frio úmido, seguido por calor febril, o que os tibetanos chamam de água-se-desfazendo-em-fogo; 3. Desintegração do corpo ou a sua dispersão em átomos, chamada fogo-se-desfazendo-em-ar; 4. Pressão na cabeça e nos
ouvidos, que os americanos chamam de foguete-sendo-lançado-ao-espaço; 5. Formigamento nas extremidades; 6. Sensação de como se o corpo estivesse derretendo ou escorrendo como cera; 7. Náusea; 8. Tremor, começando na região pélvica e se espalhando para o tronco.


As reações físicas devem ser reconhecidas como sinais indicativos da transcendência. Evite tratá-las como sintomas de doença, aceite-as, una-se a elas, aproveite-as. Ainda, se o sujeito experimentar sensações estomacais, elas devem ser saudadas com um sinal de que a consciência está se movendo pelo corpo.


Pode ser de ajuda descrever em maiores detalhes alguns dos fenômenos que geralmente acompanham o momento da ego-perda. Um deles pode ser chamado de “fluxo de ondas de energia”. O indivíduo torna-se consciente de que é parte de um campo de energia carregado, e de que está cercado por ele, que parece quase elétrico. Para prolongar o estado de ego-perda tanto quanto possível, a pessoa preparada relaxará e permitirá que as forças fluam através dela. Há dois perigos a evitar: a tentativa de controlar e racionalizar esse fluxo.

Um segundo fluxo é o chamado “fluxo vital biológico”, aqui a pessoa torna-se consciente dos processos bioquímicos e fisiológicos, da atividade rítmica pulsante no interior do corpo. Os processos biológicos interiores podem também ser ouvidos como chiados e barulhos de crepitação e trituração característicos. A pessoa deve resistir à tentação de rotular e controlar esses processos. Nesse ponto você está ligado a áreas do sistema nervoso que são inacessíveis à percepção rotineira. Você não pode arrastar o seu ego para dentro dos processos moleculares da vida. Esses processos são um bilhão de anos mais velhos que a mente conceitual erudita.



Então, algumas dicas de como deixar a sua mente e o ambiente em volta o mais sereno e prazeroso o possível para a experiência poder correr sem muitos transtornos sejam eles de que ordem forem.

Escolha um ambiente calmo, onde sabe que durante todo o período em que você estiver ali, ninguém irá aparecer, pessoas que não foram convidadas a participar da experiência não irão entender o que está se passando, além disso, haverá um choque de energias, de egos, o que em muita irá lhe confundir e dificultar a sua experiência. Então, pré determine um local tranquilo, seja ele numa praia, nas matas, montanhas, sítio, ou em algum comodo da sua casa.

O uso de incensos é uma forma de meditação, os aromas, despertam instintos básicos do ser humano e são muito bem vindos em experiências psicodélicas.
Sabores e toques também podem ser experimentados durante a sessão. Os seus sentidos irão demonstrar dimensões de percepção nunca antes vistas ou sentidas, prepare frutas, e, diferentes texturas como quadros com motivos hindus (dependendo de suas concepções religiosas), quadros com mandalas também são muito interessantes.


Musicas indianas são perfeitas para esses tipos de sessões, a tradição hindu preservou formas e modos de comunicação musical que transcendem milhares de anos e possuem um tempero muito psicodélico, despertam partes adormecidas do seu subconsciente, brilham forte em cada nota, denotando uma música universal, que flui junto as vibrações da natureza.


Na verdade o conteúdo do programa, vai depender muito do propósito, objetivos, da sessão. Diagnósticos, terapia, entendimento intelectual, visionária, apreciação, comunicação interpessoal, entendimento próprio, desenvolvimento do espiritual, entre outros.

É aconselhado que no dia seguinte a sua experiência, de preferência, tente se abster de comunicação, procure não sair falando a todos como foi que aconteceu a sua experiência, reserve esse dia para meditar mais profundamente acerca e tudo o que se passou no dia anterior. Um dos principais motivos de "não se entender" do que aconteceu durante a sessão é essa ânsia de logo de imediato querer racionalizar ou "explicar" a experiência. Reserve esse dia para manter a serenidade, não deixe-se ser tomado pela ansiedade, ela só vai lhe bloquear as reais intenções e entendimentos que porventura possam ter sido desencadeados. Deixe-se absorver lentamente os detalhes da experiencia, deixe a mente fluir livremente, sem dogmas, sem ego.

A pessoa experiente está normalmente além da dependência do cenário. Ela pode desligar-se da pressão exterior e retornar à iluminação. Uma pessoa extrovertida, dependente de jogos sociais e situações exteriores pode, no entanto, ficar prazerosamente distraída (cores, sons, pessoas). Se você antecipar a distração do extrovertido e quiser manter um estado de êxtase de não-jogos, então lembre-se de seguir as seguintes instruções: não se distraia, tente se concentrar numa personalidade contemplativa ideal, por exemplo o Buda, Cristo, Sócrates, Ramakrishna, Einstein, Hermann Hesse ou Lao Tsé: siga o seu modelo como se ele fosse um ser com um corpo físico esperando por você. Junte-se a ele.

Outra parte muito delicada que os enteógenos tocam em você é sua cultura. Então a importancia do programa é lhe assegurar um controle forte sobre o sistema nervoso. O processo de ser gerado nesse mundo e ser educado dentro de determinados padrões e simbologias, dentro de uma determinada cultura é um processo de ter no seu sistema nervoso impresso essas simbologias. O preço dessa impressão no nosso sistema nervoso é o preço de não poder enxergar com nitidez e eficiencia simbolos externos e estranhos a nós. Então, se prepare para esses choques de percepção e cultura que serão re-impressos em você, esteja atento.

No auge da experiência, o fluxo de consciência, microscopicamente nítido e intenso, é interrompido por tentativas fugazes de interpretar e racionalizar. Mas o ego-jogador normal não está funcionando efetivamente. Existem, portanto, possibilidades ilimitadas para, por um lado, novidades intelectuais e emocionais agradáveis se deixar-se flutuar com a corrente; e, por outro lado, temíveis emboscadas de confusão e terror se tentar-se impor a sua vontade à experiência.

Esteja ciente para os pontos de escolha que surgem durante este estágio. Estranhos sons, visões sobrenaturais e perturbadoras podem ocorrer. Eles podem impressionar, assustar e atemorizar a não ser que se esteja preparado.

A pessoa experiente será capaz de manter a percepção de que todas as percepções vêm de dentro e será capaz de sentar-se calmamente, controlando sua consciência expandida como um aparelho de televisão multidimensional fantasmagórico: as alucinações mais agudas e sensíveis – visuais, audíveis, táteis, olfativas, físicas e corporais; as reações mais requintadas, o discernimento compassivo do eu, do mundo. A chave é a inação: a integração passiva com tudo o que ocorre à sua volta. Se você tentar impor sua vontade, usar sua mente, racionalizar, buscar explicações, você será pego em rodamoinhos alucinatórios. O lema: paz, aceitação. É um panorama que muda continuamente. Você é temporariamente apartado(a) do mundo de jogo. Aproveite isso.


Os inexperientes e aqueles para os quais o ego-controle é importante podem considerar a passividade impossível. Se você não puder se manter inativo(a) e subjugar sua vontade, então a única atividade que pode certamente reduzir o pânico e puxá-lo(a) de volta dos jogos mentais alucinatórios é o contato físico com outra pessoa. Vá até o guia ou até outro participante e ponha sua cabeça no ombro dele(a) ou no seu colo; ponha seu rosto próximo ao dele(a) e se concentre no movimento e no som da respiração dele(a). Respire profundamente e sinta o ar correr para dentro e a expiração. Esta é a forma mais antiga de comunicação viva; a irmandade da respiração. A mão do guia sobre sua testa pode ajudar no relaxamento. O contato com outro participante pode ser mal-entendido e provocar alucinações sexuais. Por esta razão, esse tipo de ajuda deve ser combinada previa e explicitamente.

Não se pode prever que visões ocorrerão, nem sua seqüência. Pode-se apenas incitar os participantes a fechar a boca, respirar pelo nariz, e desligar a irrequieta mente racionalizante. Mas só uma pessoa experiente de inclinações místicas consegue fazer isso (e assim permanecer no sereno esclarecimento). A pessoa despreparada ficará confusa ou, pior, entrará em pânico: a luta intelectual para controlar o oceano.

No caso dos psicodélicos mais amplamente usados (LSD, psilocibina etc.), é seguro dizer que tais efeitos corporais praticamente nunca são efeito direto da droga. A droga age apenas sobre o cérebro e ativa padrões neurais centrais. Todos os sintomas físicos são criados pela mente. Indisposição física é um sinal de que o ego está lutando para manter ou recuperar o controle através da dissolução dos limites emocionais.

"Conhece-te a ti mesmo" uma das frases mais antigas conhecidas pela humanidade, está escrita na pedra em cima da entrada principal do Oráculo de Delfos, na Grécia. Essa frase aponta ao fato de que em ordem para você ser livre do arraigado de idéias e imposições da cultura dominante, você deve começar a se entender primeiro, entender o seu eu interior, seu ego, seu organismo, físico, emocional e mental.
bardo-thodol.jpgdeidade bardo todol.jpg
 
Última edição:

Mortandello

Mortandello Himself
Cultivador Confiável
Cadastrado
01/11/2005
Mensagens
6,913
Reputação
22
Pontos de reações
6,103
Pontos
98
bad tripp pra caramba umas partes do texto mas no geral deve INDUZIR os novatos.
sabendo que cada experiencia eh UNICA e imprevisivel, tudo que esta escrito vai por agua abaixo.
Parabens pelo belo material didatico tupy
 

Mr.M

Moe's Mush Tavern
Cadastrado
31/03/2012
Mensagens
409
Reputação
1
Pontos de reações
1,892
Pontos
46
Muito bom o texto tupy, obrigado por compartilhar!
 

Ecuador

Artífice esporulante
Membro da Staff
Cultivador Confiável
Cadastrado
22/12/2007
Mensagens
8,837
Reputação
85
Pontos de reações
20,707
Pontos
98
Na hora pode não valer de nada.

Mas é melhor ler e ver se vale a pena tentar, sempre lembrando que pode ser completamente diferente.
 

Anatman

Cogumelo maduro
Cultivador Confiável
Cadastrado
06/06/2011
Mensagens
808
Reputação
20
Pontos de reações
3,604
Pontos
53
Esse tópico é leitura obrigatória pra quem inicia. Recomendo também esse texto, já apresentado pelo amigo beraldo. É importante ter um objetivo claro traçado, será seu ponto de apoio no instante que bater confusão.

O momento de despreendimento da realidade que se conhece pode ser angustiante. É preciso coragem para fazer essa travessia, para morrer. Depois que ela é feita, tens o paraíso pela frente, o renascimento em nova dimensão. Como diz o Lysergic D, esse é o funil psicodélico.

Se adentramos naqueles mundos temos que respeitar suas regras. Lá nosso intelecto e nossa razão não tem vez, a linguagem é outra, a interação é outra. Temos que nos render, soltar e cair como folha ao vento. A força nos leva, nos conduz.
A origem das bads, o medo. De ir, de soltar, de perder o controle, de morrer, de não mais voltar. Inferno, umbral, a bad é isso dentro de nós.

Sair do limbo racional condicionado é o modo mais direto de se evitar bads. Porque a bad é racional ou uma luta para se manter a razão.

Quando a força é tamanha que não deixa sobrar nem sequer um segundo para o pensar racional não há bad, é inevitável.

Há duas formas de "conhecimento espiritual" com os enteógenos: ou vc se liga diretamente com o Todo ou vc toma consciência dos "defeitos" de sua personalidade e os modifica.


Boa viagem!
 

Salomon

Primórdia
Cadastrado
02/01/2013
Mensagens
8
Reputação
0
Pontos de reações
19
Pontos
23
Nao fazem ideia de quanto os materiais me ajudam. Obrigado Tupy
 

Anatman

Cogumelo maduro
Cultivador Confiável
Cadastrado
06/06/2011
Mensagens
808
Reputação
20
Pontos de reações
3,604
Pontos
53
bad tripp pra caramba umas partes do texto mas no geral deve INDUZIR os novatos.
sabendo que cada experiencia eh UNICA e imprevisivel, tudo que esta escrito vai por agua abaixo.
Parabens pelo belo material didatico tupy

Acredito também que é uma experiência induzida, mas fornece maior segurança para os novatos. Daí em diante, cada um deve seguir a si mesmo.
 

DiscordSeed

Primórdia
Cadastrado
18/05/2013
Mensagens
66
Reputação
0
Pontos de reações
207
Pontos
23
Olá!
Sou novo aqui no fórum e achei esse tópico sensacional!
Ainda não tive minha primeira experiência com cogumelos, só conheço o LSD, e vim aqui humildemente atrás de informação para alcançar uma cura que venho procurando faz tempo, mas isso será assunto de um outro tópico que irei criar em breve, onde me apresentarei e pedirei esclarecimento dos mais experientes.

PS: Uma dúvida que surgiu aqui. Alguém já pensou numa bad trip como um mal necessário? Não sei muito bem por em palavras o que quero dizer, mas é algo como uma terapia intensa, expulsar os "demonios" internos, que mesmo numa experiencia aterradora, exista algo a ser aprendido, aceitado e descoberto.

Obrigado por compartilharem todo tipo de conhecimento!
 

Insider

Eterno Corujão
Cultivador Confiável
Cadastrado
18/11/2005
Mensagens
1,067
Reputação
5
Pontos de reações
1,997
Pontos
94
PS: Uma dúvida que surgiu aqui. Alguém já pensou numa bad trip como um mal necessário?

Cara, badtrip FAZ PARTE. Você pode aprender dela tanto quanto nas experiencias positivas.

Eu conheco pessoas que tiveram bem poucas badtrips pras quantidades que tomaram, mas em geral a grande maioria sempre tem experiencias ruims de vez enquando(sejam elas produtivas ou nao), umas mais outras menos.

Entao nao é que seja NECESARIO mas que simplesmente faça parte de toda a experiencia psicodelica em si.

E falo, se ficar temendo demais as bads você vai encontrar um atalho a elas ;)
 

DiscordSeed

Primórdia
Cadastrado
18/05/2013
Mensagens
66
Reputação
0
Pontos de reações
207
Pontos
23
Opa! Não temo as bad's, já tive algumas experiencias que ficaram desconfortáveis, mas até que segurei bem a onda e não me dominou. Mencionei mesmo porque é uma ideia que tive após assistir alguns documentários e ler algum material. Fiz uma associação física, algo como uma inflamação, que antes de sarar, apresenta sinais agudos de dores e desconfortos, naturais dentro do processo de cura.
 

Anatman

Cogumelo maduro
Cultivador Confiável
Cadastrado
06/06/2011
Mensagens
808
Reputação
20
Pontos de reações
3,604
Pontos
53
A maioria, se não todas as minhas "bad's", vinham acompanhadas de efeitos psicossomáticos, que quando atingiam o vômito ou um estado muito desconfortável (pico), a experiência então se tornava agradável e vinha o sentimento de alívio e libertação.
Eram como um purgatório para as experiências incríveis que tenho hoje.
 

arcaico

Cogumelo maduro
Cadastrado
04/12/2010
Mensagens
290
Reputação
0
Pontos de reações
584
Pontos
50
O livro tibetano dos mortos do timoty leary para experiencias psicodelicas eh um saco! hauhaahua

Me lembra reza quando eu era pequeno antes de dormir, e tao chato que induz o sono...

Prefiro experiencias sem esses manuais. mas cabe cada um saber como orienta suas jornadas ou nao-jornadas.
 

DiscordSeed

Primórdia
Cadastrado
18/05/2013
Mensagens
66
Reputação
0
Pontos de reações
207
Pontos
23
Não li o manual elaborado por Leary, só dei algumas passadas de olho e nada mais, porém o livro tibetano dos mortos original é um texto bem antigo, que antes de ser tornar um texto escrito, seu conteúdo era transmitido apenas oralmente. Provavelmente, como quase todos os textos muito antigos provindos de tradições orais, seu conteúdo original foi, em partes, perdido. Tem como objetivo preparar a pessoa moribunda, ou mesmo morta, para a passagem ao outro mundo usando as palavras como guia, conforme a crença budista tibetana.
É um texto interessante, bem complexo e de difícil interpretação, vide a diferença abissal entre nossas culturas. Nunca li-o com muita atenção, na primeira tentativa eu era muito novo e não entendia muito bem, mas com certeza existem coisas que podem ser aproveitadas ali, já que os estados psicodélicos são muito semelhantes a experiências de quase morte.
 

tupy

★ vento sul ☆
Membro da Staff
Cultivador Confiável
Cadastrado
29/05/2006
Mensagens
4,063
Reputação
64
Pontos de reações
9,976
Pontos
94
Quanto a parte física da experiência, alguém tem algo a contribuir, baseado em suas próprias experimentações?

A importância de preparar a mente e o corpo para a experiência dificilmente pode ser superestimado. Fisiologicamente, a parte mais importante da sessão com os enteógenos é quando se faz sentir os primeiros efeitos químicos no corpo. O experimentador não está preparado para esse momento de "decolagem", muita da sua firmeza no restante da experiência vai depender de como você lida com esse momento, de como você se livra das suas impressões do cotidiano, das suas impressões, e querer explicar e compreender tudo o que acontece com o seu corpo. Os batimentos cardíacos, a sudorese, o formigamento das mãos e pernas, a agitação e por ai adiante. Estar preparado para essas mudanças, estar consciente e de mente serena irá lhe proporcionar tudo o de melhor que a experiência tem a oferecer, a lidar com essas poderosas energias que estão para vir
 

tupy

★ vento sul ☆
Membro da Staff
Cultivador Confiável
Cadastrado
29/05/2006
Mensagens
4,063
Reputação
64
Pontos de reações
9,976
Pontos
94
Um acréscimo ao Livro Tibetano dos Mortos, escutei essa do Lama Padma Samten.
Comparem o Livro Tib. a um trem fantasma, a cada esquina um susto, mas lembre-se, é só a sua mente! Esteja preparado! ;)
 
Top