É possivel uma cura de vicios com cogumelos ?

krust

Esporo
Membro Novo
Mas pelo jeito você ainda não conseguiu se livrar do mais destrutivo e viciante dos vícios, que é o vício em pensamentos.
Os pensamentos são a profunda raiz/âncora do ego, considero inclusive muito mais difícil o 'nadismo' do que processar o grande fluxo de idéias e pensamentos que um estado alterado de consciência, por vezes, induz. Esse é um defeito antigo meu, sempre tive imensa dificuldade em meditar, em visualizar mentalmente, o excesso de pensar, inclusive, era uma das principais razões da minha finada gagueira acima relatada. Porém, aos poucos irei desconstruindo essas amarras mais profundas.

E alteraria sua ultima provocação:

"E se você (ou qualquer outro que estiver lendo isso) acha que não é viciado em pensamentos, tente não pensar nisso."
 

ExPoro

Psiconauta Apaixonado. Enteogenista Floyd-Gospel.
Membro Ativo
Sobre a questão inicial do tópico e em consonância com o dito por diversos membros acima, pra resumir, os cogumelos só vão trabalhar em uma cura se você direcionar sua vontade nesse sentido, antes e depois da experiência. O durante irá trazer e trabalhar a questão naturalmente se você já se foca nisso e pede um pouco antes, como dito pela @Prisiconauta, por influência do set (mente) na trip. E o depois é o momento de integração da questão na consciência ordinária.

Por exemplo, eu tenho pedido muito em trips pra me ajudar a abandonar o uso de erva. Mas o cogumelo já me disse tudo que tinha pra dizer sobre a erva há muito tempo, e agora o que falta sou eu agir. Inclusive, nesse momento, estou em mais um lapso sem uso da erva, felizmente, já que esse é meu objetivo, parar de usar. Mas pra outras pessoas, pode ter um impacto mais visceral e a pessoa ganhar aversão/nojo da erva ao invés de ter que passar por um trabalho de elaboração mental. O trabalho de cura de vícios com cogumelos pode se dar em vários níveis: desde aversão imediata a substâncias até maior facilidade de lidar com abstinência sem voltar correndo pra droga. No caso de aversão a substâncias mais tóxicas, pode ocorrer até sem a pessoa querer, como consequência farmacológica do cogumelo - foi o que houve comigo, por exemplo, em relação ao nBome (Medo e Delírio a Sério (16ª exp)) e cocaína (Viajando bem acompanhado (13ª a 15ª exp)).

De resto, em regra, o cogumelo é apenas um potencializador da sua capacidade interior de abandonar vícios, dependente da sua vontade em agir nesse sentido, e não apenas de esperar uma cura passiva por uso dos Meninos Santos. Mas, a partir do momento em que abandonar a substância viciante, o cogumelo poderá então também atuar na cura dos danos causados pela droga em seu cérebro com os anos de uso para além do que a mera abstinência seria capaz de fazer, sem a psilocibina.
 

krust

Esporo
Membro Novo
Sobre a questão inicial do tópico e em consonância com o dito por diversos membros acima, pra resumir, os cogumelos só vão trabalhar em uma cura se você direcionar sua vontade nesse sentido, antes e depois da experiência. O durante irá trazer e trabalhar a questão naturalmente se você já se foca nisso e pede um pouco antes, como dito pela @Prisiconauta, por influência do set (mente) na trip. E o depois é o momento de integração da questão na consciência ordinária.

Por exemplo, eu tenho pedido muito em trips pra me ajudar a abandonar o uso de erva. Mas o cogumelo já me disse tudo que tinha pra dizer sobre a erva há muito tempo, e agora o que falta sou eu agir. Inclusive, nesse momento, estou em mais um lapso sem uso da erva, felizmente, já que esse é meu objetivo, parar de usar. Mas pra outras pessoas, pode ter um impacto mais visceral e a pessoa ganhar aversão/nojo da erva ao invés de ter que passar por um trabalho de elaboração mental. O trabalho de cura de vícios com cogumelos pode se dar em vários níveis: desde aversão imediata a substâncias até maior facilidade de lidar com abstinência sem voltar correndo pra droga. No caso de aversão a substâncias mais tóxicas, pode ocorrer até sem a pessoa querer, como consequência farmacológica do cogumelo - foi o que houve comigo, por exemplo, em relação ao nBome (Medo e Delírio a Sério (16ª exp)) e cocaína (Viajando bem acompanhado (13ª a 15ª exp)).

De resto, em regra, o cogumelo é apenas um potencializador da sua capacidade interior de abandonar vícios, dependente da sua vontade em agir nesse sentido, e não apenas de esperar uma cura passiva por uso dos Meninos Santos. Mas, a partir do momento em que abandonar a substância viciante, o cogumelo poderá então também atuar na cura dos danos causados pela droga em seu cérebro com os anos de uso para além do que a mera abstinência seria capaz de fazer, sem a psilocibina.
Exato, não podemos 'terceirizar' pro cogumelo uma cura se não tivermos a menor vontade de fazê-la, justamente para evitar a auto-sabotagem e transferência de culpa de 'não consegui nada disso, tomei e continuo viciado em X,Y,Z - culpa do cogumelo'
 

DKrazy

Esporo
Membro Novo
Eu acredito que sim! Usei os cogumelos pra autoconhecimento não para deixar meus vícios, só que eu cheirava de 10 à 15g de coca por semana e desde que tive minha primeira trip que foi algo que não sei como explicar de tão mágico, não penso em usar nada. E também não consigo beber muito, hoje mesmo passei mal com uma cerveja, não sei se vai normalizar mas pra mim isso nem importa mais. Porque o que eu senti com o cubensis nunca havia sentido, muita gratidão e nunca fui tão eu mesmo...
 

krust

Esporo
Membro Novo
Os pensamentos são a profunda raiz/âncora do ego, considero inclusive muito mais difícil o 'nadismo' do que processar o grande fluxo de idéias e pensamentos que um estado alterado de consciência, por vezes, induz. Esse é um defeito antigo meu, sempre tive imensa dificuldade em meditar, em visualizar mentalmente, o excesso de pensar, inclusive, era uma das principais razões da minha finada gagueira acima relatada. Porém, aos poucos irei desconstruindo essas amarras mais profundas.

E alteraria sua ultima provocação:

"E se você (ou qualquer outro que estiver lendo isso) acha que não é viciado em pensamentos, tente não pensar nisso."
Apenas um adendo, o 'silêncio' que me referi é similar ao externado pelo Alan Watts:


🍄
 
Superior