Sobre a tal da "pala"

jotinha

Esporo
Membro Novo
saudações,

venho colocar uma questão aqui que pode gerar boa discussão sobre a interação social sob efeito de psicoativos enteógenos.
sou um usuário com relativa experiência com enteógenos/psicodélicos, já viajei com p. cubensis duas vezes e três com ácido.
me surgiu uma questão de dúvida.... num âmbito em que o usuário possivelmente se exporia a interação social com pessoas que não têm a informação
de que este está sob efeito de algum psicoativo, quais podem ser as implicações disso, tanto para a trip, como para a relação deste usuário com estas pessoas?
por exemplo, na minha primeira viagem de ácido, cheguei a dialogar com pessoas da minha família, que não sabiam de minha condiçaõ psíquica
e que depois me relataram que eu estava me comportando de maneira aparentemente comum, como sempre sou.
enquanto isso meus pensamentos rolavam de maneira inteiramente diferenciada, e eu sinceramente fiquei inseguro de demonstrar uma completa estranheza,
e isso até me gerou certa preocupação, apesar de não ter estragado minha trip ou algo assim, apenas me rendeu algumas risadas depois da situação.

estou pensando nessa quarentena em separar um dia para uma boa viagem dentro de casa,
com intenção de evoluir no meu auto-conhecimento, porém fico com um pouco de receio sobre essa questão que coloquei.

alguem possui algum relato que pode me esclarecer algo nesta questão? ou mesmo opiniões, críticas, conselhos.... estou aberto!
valeu pessoal, espero que estejam todos tranquilos.
 

Ecuador

Artífice esporulante
Administrador
Fiz uma pesquisa no sub-fórum de bad trips para "família".


É para você ter uma ideia do que pode acontecer se as coisas escaparem do controle. No geral quanto maior a dose maior a chance de imprevistos e bad trip. E de interações familiares que a pessoa preferiria ter evitado.
 

01101OK!

Hifa
Membro Ativo
Opa, @jotinha. Então, eu penso muito sobre isso. Comigo já teve algumas circunstâncias que eu tinha ingerido e interagi com pessoas que eu não esperava, que não sabiam que eu tinha ingerido. Talvez por já estar em uma parte mais pro final do efeito, ou nesse dia não estar tão introspectivo - estar mais falante e conversando sobre ideias - a pessoa não percebeu. Também deu essa sensação de que "enquanto isso meus pensamentos rolavam de maneira inteiramente diferenciada". Me foi bastante agradável, estava em um ambiente doméstico.

Já em outras ocasiões que eu ingeri sozinho, não teria sido bom ter interações. Essa vez foi mais introspectiva. Acho que utlizando dessa maneira, é bom ter um lugar onde você possa ficar sozinho, caso queira. E também pensar nessa relação entre a dose. Se for uma dose leve ou uma dosa alta e como isso vai te criar uma sinergia corporal de uma viagem mais ou menos intensa.

Eu ando pensando muito sobre os cogumelos em relação as interações sociais. Nesse sentido as micro-doses já fazem esse trabalho, só que numa intensidade que você não precisa se controlar, pois o efeito é quase "imperceptível"
 
Superior