Chá de 106,7 g frescas e o Futuro do Gargalhadismo Social (xp 70)

ExPoro

Psiconauta Apaixonado. Enteogenista Floyd-Gospel.
Membro Ativo
Foi a primeira vez que cheguei na média dos 10 gramas secos. As duas experiências anteriores tinham transitado em 9 gramas secas e tinha me sentido tranquilo de subir um pouco mais. E adicionei a isso o fato de que desta vez o chá era feito de cogumelos frescos, que possuem mais elementos psicoativos, inclusive iMAO, e por isso considero mais potentes e mais elaborados em seus efeitos que os secos - apesar de que a psilocibina é a grande artista principal de tudo.

A Dosagem

Distribui os cerca de 600 ml de chá em 3 copos e os tomei com intervalos de 5 minutos a partir das 9:15h. Isso ajudou bastante a descer, acomodando os volumes vez a vez - pois meu estômago de manhã é uma porcaria. E graças a Deus coloco gengibre no meu chá porque senão dessa vez tinha vomitado com força antes dos 15 minutos necessários pra absorção da última dosagem.

A Maconha, um possível fator de menor interiorização, no meu caso?

Bem, de umas experiências pra cá (Cogumelo, Maconha e Masturbação (xp 63 e 64)) acabei inserindo a cannabis no ritual na fase de dosagem e aceleração, para me ajudar a passar esse tempo e também pra reduzir as sensações de mal-estar até a chegada e estabilização no topo. Aperto dois. Fumo após a dosagem. Às vezes não consigo nem terminar o primeiro antes de cair na cama, após ter tido uma aceleração mais leve e divertida. Bem, seja lá o quanto eu fume, só volto ao cinzeiro após as 6 horas, porque as experiências estão sendo bem intensas mesmo.

Mas por que a maconha me atrapalharia na parte enteogênica? Justamente porque ela mascara o mal-estar da aceleração que, de certa forma, acaba funcionando como um meio de forçar a minha mente a se focar em mim, no presente, no agora, em respirar, em tolerar se sentir todo torto psicologicamente. Seria uma fase cujo sofrimento me força a viver o momento, me interiorizar e quando os efeitos vem de vez, minha mente está mais pra dentro de mim. Já com a maconha, sinto que consigo chegar na fase de efeitos pronunciados ainda com pensamentos bobos do dia a dia na mente, apesar do corpo estar molenga. De certa forma, esse sofrimento inicial é algo que, pra mim, talvez seja bom de uma forma que não tinha imaginado antes.

A Fronha na Cara

Lá pelas tantas horas do pico, me veio uma energia espiritual e aquelas ordens de seguir certos ritos, como não sair da cama, ou manter a cabeça pra baixo de joelhos, etc. A ideia é que eu não podia sair da cama e nem da posição minha de cabeça pra baixo. Ocorre que eu queria muuuuuuuuito ir dar uma mijada! Então o acordo foi simples: eu poderia ir desde que cobrisse minha cabeça dentro de uma fronha - algo como ser um tipo de freira mas sem visão.

Caramba!!! Vai tentar tirar uma fronha e achar o buraco dela de cabeça pra baixo numa onda de 106 gramas frescas de cogumelo com a bexiga cheia e quase estourando a cada tentativa frustrada de abrir a fronha e me enfiar nela. Aquilo sim foi uma missão impossível... cumprida. kkk

Fui andando com milhares de cuidados até chegar no banheiro. Eu não podia contar com a visão, ao mesmo tempo em que lidava com a respiração abafada dentro da fronha. Fui tateando o caminho de uma forma que me sentia muito velho e fraco e inseguro - e imaginei como seria ser assim no dia a dia, devido ao envelhecimento.

Bem, só retirei a fronha quando voltei pro quarto. Antes, no entanto, consegui praticar a calma na respiração dentro daquele pano abafado. Quando vi, fiquei calmo.

Pelado pra quem quiser ver

Eu faço as experiências normalmente em meu quarto, que fica virado pra rua, e tem uns prédio do outro lado da calçada meio lateralizados que podem dar vista pro meu quarto. Isso me faz fechar as cortinas, em especial por vergonha de ser visto dançando sob efeito, em que me sinto sensual, solto, cheio de vida, com um sorriso... enfim...

Aí, sei lá, depois que fui no banheiro tirei toda a roupa sei lá porque e quando tirei a fronha tava pelado. Olhei pra janela e abri a cortina um pouco. Nada do tipo "olhem pra mim to peladão", mas sim algo mais libertador: "eu me sinto à vontade se me virem", algo que de certa forma me fez sentir maravilhoso. Fiquei deitado na cama, ouvindo a música. Devagar fui esquecendo a proximidade da janela, mas não totalmente. Então eu fui me sentindo mais e mais feliz de estar ali, de deixar o mundo poder me ver, de me deixar ser visto, de ser digno de ser considerado bonito se for o caso, ou um louco nu dentro de casa, se for o caso.

Não sei o que Diabos alguém estaria fazendo me olhando de um lugar longe, que eu tô longe de ser um Deus Grego. Como digo: "sou homem, azar de quem me vir pelado sem querer, mulher que o povo gosta de ver se trocando". Aquilo ali era uma coisa muito profunda minha que trabalhei, que envolveu em parte grande aceitação de que posso ser visto, e me sentir bem de ser visto ou da chance de ser visto, como um voyeuer ao contrário.

Enfim, sou um homem que precisa desenvolver essa auto-estima de ser... sexy?..

E essa coisa da sensualidade fez parte de meus pensamentos durante o chuveiro, em que deitei de barriga pra cima e fiquei vendo por horas a água escorrer pelas minhas pernas. Pensei em como devem se sentir as pessoas que são lindas de morrer, daquelas que se sentem livres de, sei lá, dançarem sensualmente num chuveiro de uma boate. Vi minha tristeza de nunca ter sido um boa pinta lindão. Mas também comecei a trabalhar isso e a meio que superar sensações de rejeição por mulheres na adolescência e primeira juventude.

Até que levantei a perna e falei: "aqui ó (apontando pra minha coxa), isso aqui mais maionese e uma farofa!!!" e POW dei um tapão na minha coxa. Isso, é claro, me fez rir e gargalhar horrores. Afinal, as mulheres que não tiveram o prazer de estar comigo na cama deram o azar justamente de perder o que há de melhor. :D

:!: ATENÇÃO, a partir desse ponto você terá acesso à maior ferramenta de luta pelos direitos das minorias no século XIX! NÃO levar a sério. :!:

O Gargalhismo (ou Gargalhadismo Social)

Esse novo movimento pacifista lançado no último relato (Gargalhadismo, um novo Pacifismo (xp 69)) me tomou muito da trip. Como resultado, eu ri muito, claro, para poder ser levado a sério por mim mesmo. Até com dor de barriga e vontade de vomitar eu tava vendo graça em alguma coisa lá dentro de mim. É como se a ideia do Gargalhismo se espalhasse pelo meu subconsciente e começasse a ocorrer mais nas minhas trips.

Pensei então o que é preciso pro Gargalhismo dar certo. Me inspirando então no pacifismo que veio antes de mim na História, um movimento pacifista precisa:
  1. De um mártir- alguém que morra pela causa de uma forma que influa no comportamento alheio para a nossa causa.
    1. Caso você se mate pela causa e isso não sirva de nada, sua morte foi em vão e você não será lembrado. É preciso ressaltar isso: você foi um inútil até pra morrer. Um mártir só pra sua mãe, caso não a tenha desonrado com sua morte inútil.
    2. O mártir não pode ser o fundador porque eu não quero morrer. er... já que eu faço as regras do Gargalhismo, tá aí.
  2. De movimentos separatistas internos. Infelizmente muitos morrerão. Eles não concordam com as minhas regras, mas elas visam a paz e a vida. Pra tanto, precisamos matar nossos colegas de gargalhada que destoam do que a gente(eu!) pensa. Com sangue derramado entre a gente mesmo, conseguiremos a paz com os outros, pois verão que somos um movimento pacifista sério que cumpre todos os quesitos para ser assim considerado.
    1. Gargalhismo x Gargalhadismo. Eis a grande questão. Uns chamarão assim, outros chamarão assado. Gargalhadas serão lançadas sem dó, enquanto uns defendem que devemos nos chamar Gargalhismo, e outros Gargalhadismo. As diferenças serão insuperáveis! Muitos morrerão para que outros tantos gargalhem e direitos sejam conquistados para as minorias!
  3. De um inimigo opressor. Contra todos aqueles e aquelas que oprimem!
  4. Palavras de ordem vazias ou não. Ler o item acima para ver exemplo.
  5. Definir se é Cristão ou não. Isso é importante. Porque se formos Cristãos, temos que seguir a tradição histórica e matar os que não sejam Cristãos. Caso todos no mundo virem Cristãos, então devemos nos voltar uns contra os outros e nos matarmos em função de alguma vírgula ou verbo no pretérito-mais-que-perfeito em uma linha qualquer da Bíblia que já tenha mostrado o amor de Deus na base do fogo nesses 2 mil anos.
  6. O Mais importante: precisamos de sal. Baseado na experiência do Mestre Gandhi, se a gente tiver sal, tudo se resolve. Então, se todos forem até o supermercado e começarem a jogar sal na beira do mar, talvez sejam agraciados com uma forte brisa que vai soprar tudo nos seus olhos, gerando uma emoção qualquer. O mais importante: a cada saco de sal jogado no mar, menos uma mulher gay e pobre será morta no Brasil. (O nexo causal é evidente, não preciso explicar, basta pensar)
    1. E pra ficar mais igual ao Gandhi, que enfiava o cacete na própria esposa dentro de casa, podemos então juntar as duas coisas: sal e violência doméstica - taca sal na ingrata! Eu sei que dizer uma coisa dessas pode parecer absurdo pra você que me lê, mas o sal é barato - não há prejuízo. E, sei lá, vai que sua esposa é meio sem sal.

Pronto, acho que por hora é o suficiente pro desenvolvimento do Pacifismo. Lembrando que tudo isso aí é pra gerar um mundo onde todos tenham o direito de serem felizes. Sejamos todos nós ideólogos do gênero! Como definido pelo comediante membro do Gargalhismo (não que ele saiba) e candidato a mártir (idem) Gregório Duvivier no Greg News:

"[Ideologia de Gênero é] a crença de que cada um pode e deve viver a sua vida como quiser e como for mais feliz, desde que não faça mal a ninguém. E isso inclui o direito de amar quem quiser, se vestir como quiser, da cor que quiser, e a ter o nome que quiser, mesmo que não corresponda aos seus órgão sexuais de nascimento. Até porque os órgãos sexuais do nascimento não são conta de ninguém, e essa obsessão com órgão sexual de bebê é coisa de pedófilo".

E assim fecho por hoje. Sejamos mais tolerantes. :)
 
Última edição:

Cebolo

Primórdia
Membro Ativo
Ri muito com esse relato! kkkk 😂
Mano, como assim 106g frescos e você ainda teve capacidade pra fazer isso tudo? kkkkk, eu acho que eu vivenciaria a quase morte numa dosagem dessas 😅
600 ml de chá em 3 copos
600ml?? Ta louco kkk mt água pra beber de uma vez
acabei inserindo a cannabis no ritual na fase de dosagem
Também tenho esse costume... E sinceramente na próxima estou querendo evitar fumar, se for, só no final.
Até que levantei a perna e falei: "aqui ó (apontando pra minha coxa), isso aqui mais maionese e uma farofa!!!" e POW dei um tapão na minha coxa.
Hahahahahaah, muito bom! 😂😂

Bom, se a intenção do gargalhismo é fazer rir, essas regras são uma comédia kkkkkk
Adorei as 5 e 6
 

ExPoro

Psiconauta Apaixonado. Enteogenista Floyd-Gospel.
Membro Ativo
como assim 106g frescos e você ainda teve capacidade pra fazer isso tudo?
Pois é kkk. Devido a tolerância e efeito cruzado com minhas medicações psiquiátricas, o processo de interiorização e sumiço dentro de mim não ocorre mais. Por isso comecei a elevar as doses acima do meu antigo padrão de 2 a 3 gramas secas.


Ta louco kkk mt água pra beber de uma vez
Nem me diga! Sofri com isso no estômago até absorver tudo kkk. Mas quando o chá é muito forte não tenho fé de fazer concentrado em 200 ml... aí dividi nos 3 copos.


Bom, se a intenção do gargalhismo é fazer rir, essas regras são uma comédia kkkkkk
Adorei as 5 e 6
Yeah!!! Obrigado, obrigado e obrigado!!! :p

Sim, o humor é a arma do Gargalhismo pras mudanças sociais e individuais.
 
Última edição:

Mindfulness

Primórdia
Membro Ativo
Bom relato.


Penso que seria útil incluir no início dos relatos um pequeno alerta de que a dose é mais alta devido à redução dos efeitos das medicações - apenas para nenhum incauto se iludir em tomar essas doses despreparado.

Comeste os frutos também ou apenas o líquido do chá?
Pessoalmente tenho a ideia de que o chá não vai extrair a totalidade da substância.
 

ExPoro

Psiconauta Apaixonado. Enteogenista Floyd-Gospel.
Membro Ativo
Comeste os frutos também ou apenas o líquido do chá?
Pessoalmente tenho a ideia de que o chá não vai extrair a totalidade da substância.
Então... sempre fiz o chá sem comer o bagaço. Fico com nojinho kkk. Mas acho que tira quase a totalidade dos psicoativos, talvez a ponto de comer o bagaço ser irrelevante... mas só acho, nunca testei. Único teste que já fiz em chás foi que a Vitamina C no preparo o torna bem mais potente e que se conservam sem perda sensível por meses dentro de uma geladeira boa enrolado em papel alumínio; no congelador, indefinidamente.

Penso que seria útil incluir no início dos relatos um pequeno alerta de que a dose é mais alta devido à redução dos efeitos das medicações - apenas para nenhum incauto se iludir em tomar essas doses despreparado.
É, essa questão é trazida nos relatos volta e meia, mas sempre que fala disso arrisca muito postagens de preconceito contra remédios ou de críticas diversas que geram explicações repetitivas ("sim, meu psiquiatra sabe de tudo") se deixar destacado.

E, apesar de não haver os processos mentais mais aprofundantes de quebra de ego, a experiência que tenho é da dosagem dita. É uma diferença de qualidade dos efeitos mais que de quantidade dos efeitos. Por isso tenho elevado a dosagem, em busca de chegar num ponto específico, mas cada pancada é uma pancada nesse caminho e a elevação é cautelosa.

Mas vou ter isso que disse em mente e buscar ressalvar que a dose é mega heróica e que já tenho 5 anos de estrada. E mesmo que não, tem toda a informação espalhada no fórum sobre dosagens. :)
 
Última edição:

Gashroom

Esporo
Membro Novo
Adorei o relato! Ainda estou começando e estava bem cauteloso com a dose, mas eu acho que (infelizmente) o meu organismo não é tão "sensível" aos cogus, 1,5g praticamente não causam efeitos e somente com 3g tive uma experiência boa, porém ainda mais fraca do que eu imaginava porque não sinto nenhum efeito visual nem mesmo no auge da "trip", somente nos pensamentos mesmo, vou aumentar para 5g na próxima.

O Gargalhismo (ou Gargalhadismo Social)
Já me considero adepto ao Gargalhismo (ou Gargalhadismo dependendo da vertente)

  1. De um inimigo opressor. Contra todos aqueles e aquelas que oprimem!
  2. Palavras de ordem vazias ou não. Ler o item acima para ver exemplo.

:LOL::LOL::LOL::LOL:
 

ExPoro

Psiconauta Apaixonado. Enteogenista Floyd-Gospel.
Membro Ativo
Adorei o relato! Ainda estou começando e estava bem cauteloso com a dose, mas eu acho que (infelizmente) o meu organismo não é tão "sensível" aos cogus, 1,5g praticamente não causam efeitos e somente com 3g tive uma experiência boa, porém ainda mais fraca do que eu imaginava porque não sinto nenhum efeito visual nem mesmo no auge da "trip", somente nos pensamentos mesmo, vou aumentar para 5g na próxima.



Já me considero adepto ao Gargalhismo (ou Gargalhadismo dependendo da vertente)




:LOL::LOL::LOL::LOL:
Yeah! Gargalhistas unidos jamais serão sem graça! :p

Só se lembre que o aumento na dose gera um aumento inesperado na onda. Por exemplo, se você sentiu um pulo de 1 pra 3, o pulo de 3 pra 5 será maior, apesar de serem também 2 gramas de diferença. Nada pra se preocupar, mas apenas pra estar ciente.

Parabéns por aumentar a dose aos poucos.
 
Superior